APENAS TESÃO

Guilherme

Era início da madrugada.

Adentrei o pequeno escritório envolto em penumbra e o que meus olhos viam daquele ângulo era apenas a silhueta de uma mulher acima do peso, com aquele corpo sedento, com dobrinhas salientes que imploravam por mordidas.

Meus pensamentos e minha consciência iam um pouco mais além… ali estava uma mulher perfeita em suas imperfeições, explodindo de tesão e louca para dar. E eu queria comer. Sim, agora, nesse instante.

Sei que ela percebeu quando entrei, não sou muito sutil, mas fingiu surpresa ao sentir minhas mãos deslizando por seus ombros semi cobertos por uma pequena vestimenta fina, quase inexistente. Senti seus ombros tensos relaxando ao meu toque, um suspiro meio que de alívio, meio que pedindo que continuasse.

Não dei ouvido a pedidos, dei ouvido aos meus instintos e sem qualquer cerimônia deslizei minhas mãos por dentro de sua pequena vestimenta fina até alcançar seus seios, aos quais apalpei com vontade. Estava sem sutiã. Safada. Gostosa. Tesão.

Ao mesmo tempo em que meus dedos pressionavam aqueles biquinhos já enrijecidos, minha boca explorava seu pescoço e meus dentes… ah meus dentes… já tomavam o rumo do lóbulo de sua orelha direita. Mordi. Senti sua respiração ficar mais forte. Apertei.

A tensão agora dava espaço ao tesão. Tenso tesão.

– Vou te foder agora.

– Não posso, tenho que trabalhar.

– Não é um pedido.

Abafei qualquer outro sinal de resistência com um beijo, mas não qualquer beijo. Queria sugar sua alma através de sua boca. Deixei-a sem ar.

Enquanto a beijava, desloquei minha mão direita bem rápido em direção à sua boceta. O corpo já entendendo, abriu as pernas que deram passagem ao prazer. Quente, úmida, sedenta. Segurei forte e senti um gemido em meio ao beijo ainda persistente.

Meu dedo passeando entre os grandes lábios, veloz, indelicado, indecente, imoral.

Outro gemido.

Outra sucção.

Dois dedos entraram sem pedir licença.

O corpo, antes sentado, agora já estava quase deitado onde não haveria de caber. Fomos ao chão. Senti uma pequena resistência quando as costas quentes tocaram o chão gelado causando espanto misturado ao medo. Medo de que? Do prazer? Ela não sabe o que quer… eu sei. E vou lhe dar.

Me desvencilhei dos lábios e antes que qualquer protesto pudesse surgir, me afundei nos outros lábios. Os grandes. Os molhados e escorregadios. Os que possuem os cheiros e odores de mulher no cio. Os donos do tesão. Adoro os pequeno, os grandes e os apenas lábios.

Foi o prazo da minha língua passear por entre os grandes lábios ao encontro do ponto de excitação máxima que, como que num passe de mágica, os pré-protestos transformaram-se em apenas um som: o som do tesão. O som da vontade. O som do “quero mais”. E eu daria mais, muito mais.

Minha língua brincou como quis subindo, descendo, pressionando, apertando, deslizando.

A boca, claro, acompanhou a nada sutil dança que se desenrolava e auxiliou a língua em sua missão. Um pequeno grande auxílio com mordidas alternadas entre leves e não tão leves.

As mãos antes perdidas agora puxavam meu cabelo em direção oposta aos meus movimentos. Pareciam não querer mais as brincadeiras de minha língua ali. Entendi o recado.

Meus lábios encontraram seus lábios e o beijo surgiu novamente sufocante, mas dessa vez acompanhado do gosto. O gosto do prazer. Beijo com gosto é outro tipo de beijo. É um BEIJO.

Enquanto as línguas compartilhavam gostos já conhecidos, abri meus olhos. Encontrei os dela já abertos, já sentindo.

Sim… estava bem na entradinha.

Sem tirar meus olhos dos dela, apertei o beijo, segurei o lábio inferior com uma nada leve mordida e adentrei bem devagar, centímetro por centímetro até chegar ao fundo.

Senti aquele corpo, antes tenso, relaxando-se embaixo do meu. Mas não, agora não. Não era hora de relaxar ainda. Quero intensidade.

Meus dedos então envolveram-se em meio à cabelos curtos. Cabelos vermelhos. Cabelos em chama. E puxei. Sim, puxei para trás e junto ao puxão veio outra mordida, agora no pescoço.

Os corpos já não sabiam o que estavam fazendo, sabiam apenas que se fazia necessária a sincronia do movimento. Um movimento cadenciado. Constante. Firme. Necessário.

E enfim explodiram no prazer total. Dentro. Firme. Apertado. Relaxando. Amolecendo. Ofegante. Escorregadio. Saindo.

E assim foi. Sem pedir. Sem anunciar. Sem nada mais que o necessário: Apenas tesão.

МОЙ СТУДЕНТ ХОТЕЛ НАСЛАЖДАТЬСЯ

учитель

Я учитель и преподаю в основном в техникумах, государственных и частных, где ученикам в среднем от 16 до 19 лет. Мне 26 лет, и я один из самых молодых учителей практически во всех школах. И в этом возрасте, как мы знаем, студенты открывают для себя свою сексуальность, поэтому не странно, когда вопросы такого рода поднимаются во время занятий, будь то серьезным образом или посредством шуток и шуток. Я всегда относился к профессии учителя очень серьезно, и я понимаю, что частью моей работы является руководство ими во всем, что важно для них, чтобы они принимали обоснованные и осознанные решения.
Из-за моего стиля, который связан с интересом к современным группам, кино и искусству в целом, классы, для которых я преподаю, всегда понимают меня как самого классного учителя, и поэтому соответствуют многим предметам, которые их интересуют. Естественно, я никогда не пытался установить эти отношения.

В перерыве я редко хожу в учительскую. Я предпочитаю ходить в столовую, продолжать говорить и наблюдать за их поведением, видеть, как развиваются их личности. Очевидно, я замечаю самых красивых девушек, но я женат, и я всегда думал, что в некотором смысле было бы немного трусливо с моей стороны попробовать что-то со студентами.

Почти все «племена» приходят поговорить со мной: от рокеров до евангелистов. В частности, я предпочитаю разговаривать с более политизированными или немного более зрелыми людьми, которые уже могут думать о других предметах, чем обычно подростки.

В определенный день в июне этого года школа была немного пустой, так как многие ученики участвовали в школьных играх в другом отделении. Изабела, одна из девушек, с которыми я всегда разговаривала, была одна, без своего класса. Она короткая, конечно меньше шести футов. Ему 18 лет, с очень светлой и розовой кожей на лице, темными волосами, волнистыми и срезанными на плечах, большими карими глазами, украшенными очками с черными и относительно толстыми оправами, большим и действительно красивым ртом с губами, которые кажется нарисованным. У Изабелы средняя и очень круглая задница, почти всегда покрытая сетчатыми брюками со школьным логотипом. Но то, что заставляет мужчин влюбляться в Изабеллу, выше талии. Ее грудь большая, намного больше ее коллег, а ее талия очень тонкая, что делает ее тело непропорциональным в лучшем виде. Я никогда не видел Изабеллу с расщеплением, так как это было запрещено в школе. Но даже под футболками можно было сказать, что они невероятные.

В тот день я проходил по коридору, а она шла в противоположном направлении. Он остановился, чтобы поприветствовать меня (как он всегда делал), и поцеловал меня в щеку, чего я никогда не делал, и это меня немного смутило. Я никогда не пахла этим, и я поняла, что это были очень сладкие и сладкие духи. Она начала красиво болтать о том, что она сделала за выходные. Она немного рассказала о своем парне, момент, когда она была менее эйфоричной и с удрученным взглядом. К моему удивлению, она закончила разговор словами «пока, котенок-учитель», еще раз поцеловала меня в щеку и вошла в класс.

На следующей неделе Изабела ретвитнула что-то, что я опубликовала, а затем она прислала мне DM, чтобы поговорить об этом, что было просто приятным, что-то о показе фильма, я даже не помню. Но разговор вскоре стал ее парнем, которого я не знал, и был немного старше ее. Она начала жаловаться, но в очень общем виде, и я старался вести ее как можно больше. Она поняла, что у меня есть некоторый опыт и настроение для разговора. В этот момент Изабела начала подробно рассказывать об отношениях.

  • Он очень добр ко мне, но, кажется, немного отвлекся, когда занимается сексом. Мне он очень нравится, но я хотел, чтобы он уделял мне больше внимания, говоря сексуально.
  • Объясни лучше. Что он делает? Что он не делает?
  • Он не любит сосать меня очень сильно. На самом деле, кажется, что ему это не нравится, даже если я это делаю, это странно. Ему просто нравится заниматься нормальным сексом, и он приходит быстро.
  • А ты?
  • Я не знаю, я имею в виду, я так думаю. Но я думаю мало, я всегда хочу
    Больше. Время от времени я мастурбирую, но не знаю, как это сделать, или у меня недостаточно мотивации. Не знать. Это расстраивает.

Я не знал, был ли ее разговор действительно правдивым, или она интересовалась мной и использовал это, чтобы приблизиться. Во всяком случае, я продолжал говорить, чтобы попытаться помочь вам.

  • А твоей жене-учительнице нравится?
  • Много и всеми возможными способами.
    Этот мой ответ породил молчание. Его ответ, который всегда был мгновенным, занял несколько минут.
  • ей повезло.

На этот раз мне пришлось долго отвечать. На самом деле я не отвечал до следующего дня, во время урока, когда она встретила меня в перерыве.

  • Привет, как ты? – спросила она. Она была одета в белую блузку, которая была на груди и лифчике. Я не мог не смотреть несколько секунд.
  • Конечно, все. И с тобой?
  • Я все тот же … Есть советы?
    Я смеялся над ситуацией, и она тоже. А пока я думал об ответе.
  • Сделай так: пригласи его в мотель. Вдруг там он ослабевает больше …
  • Я пытался, он не хочет. Он говорит, что считает это отвратительным, что он слышал отвратительные истории из грязных комнат …
  • Ах, но это зависит от мотеля, верно?
  • Я знаю, но ему это не нравится. Ты можешь в это поверить? Мне было 18 лет в течение 8 месяцев, и я никогда не был в мотеле! Все мои друзья ушли … Я умру от желания!
    Она едва закончила предложение, и прозвенел звонок. Мы попрощались и день прошел нормально. По дороге домой я решил послать к ней DM в шутливом тоне.
  • Я отвезу тебя в мотель, вот и все, проблема решена!
    Ответ был немедленным:
  • Привет! Когда?
  • Когда захочешь, – ответил я с улыбкой, подмигивая.
  • Завтра в 9?

Была суббота, и моя жена путешествовала. Отлично.

  • комбинированный.

Часы шли медленно, и я не был уверен, чего ожидать. Но тело Изабеллы было настолько невероятным, что оно того стоило. Если бы я мог видеть твою грудь, я был бы счастлив.

Мы сели в мою машину, и Изабела просто посмотрела на меня и улыбнулась этим мясистым и красивым ртом. На ней было свободное, не слишком короткое платье без бретелек, и у нее был легкий вырез. Увидеть ее так было уже в новинку, потому что в школе они не носили такую ​​одежду.
Мы вошли в комнату, и она была очень счастлива быть там. Он переместил свет, звук, пошел смотреть в ванну. Он нашел пакет с презервативами и смазками и прибежал, чтобы показать мне.

  • Спасибо, что привели меня сюда. Это весело. И сейчас?
  • Теперь мы должны использовать каждый дюйм этого пространства, – сказал он и притянул ее ко мне. Ее рот коснулся моего, и я скоро почувствовал, как ее язык ищет место во рту. Мы долго целовались, стоя. Его поцелуй был мокрым, и его большой рот заставил его хотеть кусать.

Это несколько любопытно, потому что Изабела чередовала моменты, когда он казался очень опытным с другими, которые были совершенно неуклюжи, но все же сохраняли определенную грацию. Например, когда ты наклонился, чтобы снять мои штаны и сделал это, глядя мне в глаза и с сорваным лицом, но облизывая свою губу. Однако, когда мой член вышел, она не знала, что делать правильно. Иногда он быстро облизывал голову, иногда дергал ненадлежащим образом, перемещая палку в сторону, а не вертикально.

Я сказал: «Что ты делаешь?» Она ответила, смеясь, что она не очень хорошо знала, но она хотела учиться. Я был одержим, увидев ее голой, поэтому я сказал, что буду учить позже. Она попыталась поцеловать меня, но я приподнялась, уклоняясь, чтобы немного ее дразнить, и тогда она немного подскочила и скрестила ноги вокруг моей талии, чтобы дотянуться до моего рта. Поскольку она была маленькой и легкой, у меня не было проблем с тем, чтобы оставаться в таком положении, в результате чего ее грудь была на оптимальной высоте. Правая ручка была уже наполовину опущена, так что ее было несложно опустить навсегда. Наконец-то я смог увидеть ее грудь. Они были в шаге от меня, и они были действительно огромными и мягкими. Ореолы были большими, розовыми, почти белыми, и я смотрел на них несколько секунд, прежде чем они наполнили мой рот. Изабела издала стоны, и я признаюсь, что потеряла счет времени. Это сделало мое желание сбудется. Я сосал грудь Изабеллы, как будто не было завтра. Очевидно, они мне не подходили, поэтому я чередовал облизывание сосков с более нервными поцелуями сверху. Она держала голову на моем плече, тяжело дыша и пытаясь поцеловать меня, когда я делал короткие перерывы.

Ее короткое платье было уже по пояс, поэтому было легко положить руку на трусики. Я чувствовал тепло, исходящее из области, и я потратил время, чтобы двигать ее клитор пальцем, все еще медленно. Изабела, которая в школе была разговорчивой и раскованной девочкой, теперь отвечала короткими предложениями и мало говорила.

«Сегодня ты придешь, и ты будешь много ходить», – сказал я.
«Наконец-то», – ответила она с красивой улыбкой на лице, прежде чем снова поцеловать меня.

Я попросил ее, все еще скрестив ноги за спиной, снять ее платье. Она посмотрела мне в глаза, и я закончила снимать ее лифчик. Ладно, она была просто в трусиках, хотя я не мог хорошо видеть. Я с легкостью положил ее на кровать и увидел, что ее трусики были короткие, белые, хлопчатобумажные и не слишком близко к телу, что очень соответствовало ее стилю. И рядом с клитором была отметка влажности. Я поцеловал и сосал ее трусики, она засмеялась и сказала, что щекочет. Я медленно сняла трусики и вместе вышла жидкая жидкая нить, которая соединяла ее трусики с ее киской. Который, кстати, не был побрился, но волосы у нее были тонкие и чуть светлее, чем цвет волос. Ее киска была маленькой и пухлой на губах, которые в свою очередь были плотно закрыты. Я был восхищен. Мой член был уже очень твердым, поэтому я снял свою одежду и инстинктивным жестом приблизил свой член ко входу, сделал небольшое усилие и остановился.

Чтобы немного замучить себя, я начал сосать пизду моего ученика, теперь полностью освобожденную: лежа и голый. Я не джентльмен с экстремальным опытом, но я всегда заставлял своих партнеров получать удовольствие от орального секса.

Я начал облизывать губы, ощущая каждый дюйм своим языком. Изабела в этот момент казалась немного нервной. Он перестал тяжело дышать и уставился на меня, склонив голову вперед и напрягшись. Я отодвинулась, поцеловала внутреннюю часть ее бедер, подошла к ее животу, пока не достигла соска ее груди. Я нежно поцеловал и поцеловал его в рот.

  • Что это? Ты выглядишь напряженным. Тебе не нравится, когда тебя сосут?
  • Я не знаю, я никогда не был.

Я просто улыбнулся и ничего не сказал. Затем я снова опустил ее живот, пока он не остановился у клитора, где я лизнул и сделал несколько круговых движений. Сначала медленно, затем чередуя быстрые и средние облизывания. Должно быть, это продолжалось около двух минут, пока она не опустила голову на подушку, не закрыла глаза и не застонала. Его стоны начали становиться ритмичными, согласно движениям моего рта. Я понял, что она была счастлива и довольна. Эта девушка, красивая и с невероятным телом, была моей. Я быстро облизал ее клитор, пока не остановился и просто прижал его своим языком. Легкое давление, которое вскоре стало тяжелым. Изабела закрыла ноги, прижала мою голову и начала извиваться. Я продолжал давить на клитор языком. Она глубоко вздохнула и сказала что-то, чего я не поняла. Ее стоны прекратились, и она издала приглушенный крик.

Я продолжал лизать, теперь помедленнее, ее мокрую киску. Там нет лучшего вкуса, чем киска, которую вы только что пришли. Она провела рукой по моим волосам и некоторое время оставалась с закрытыми глазами и почти потеряла сознание. Мы оставались в этом положении в течение длительного времени. Я бы остался там навсегда.

Пока она не начала приходить в себя и снова стонать, все еще поглаживая мою голову. Я поднял свое тело, положил свой член обратно в рот ее киски и позволил моему телу падать на тебя, медленно, но твердо, не останавливаясь. Мой член пришел сразу, и я начал вставать, держа ее за грудь. Наконец она до конца открыла глаза, улыбнулась и сказала: спасибо. Я только улыбнулся в ответ и продолжил. После всего, что произошло, я знал, что если я войду быстро, я скоро приду, поэтому я замедлился. Она погладила меня по спине, и постепенно я заметил, что ее дыхание снова становится затрудненным. Я поднесла ее руку к ее киске, и она быстро поняла, куда положить палец.

Я заметил, что она делает быстрые круговые движения, а затем некоторое время сжимает, так же, как я делал это языком несколько минут назад. Это не заняло много времени, и она снова пришла в себя, только теперь кусая губы, прижимая грудь одной рукой и глядя мне в глаза. Я не мог больше ни секунды, я вынул свой член из ее киски и указал на ее грудь, она выглядела испуганной, но вскоре она поняла, что происходит, и обеими руками она присоединилась к своей груди. Я не думаю, что это был первый раз, когда кто-то наслаждался ими. Я позволил первой струе попасть прямо в грудь Изабеллы, но вторая и третья немного вышли из-под контроля и ударили ее по шее, по лицу и по волосам. Она засмеялась и посмотрела на меня немного смущенно.

Я ничего не сказал, я просто смотрел и поправлялся. Она провела пальцем по чертовому лицу, чувствуя, как далеко оно зашло. К моему абсолютному удивлению, Изабела прижала палец ко рту и сосала, как кто-то, кто сосет сгущенное молоко из банки. Она снова засмеялась и сказала: кисло-сладко!

Мы пошли в душ, где она снова сказала, что ей нравится вкус моей спермы. Я сказал: серьезно? И она ответила: почему ты не можешь? Вам, казалось, понравился вкус моего удовольствия.

MINHA ALUNA QUERIA GOZAR

Professor

Sou professor e dou aulas, principalmente, em escolas técnicas, públicas e particulares, onde os alunos tem entre 16 e 19 anos, em média. Tenho 26 anos e sou um dos professores mais jovens em praticamente todas as escolas. E nessa idade, como sabemos, os alunos estão descobrindo sua sexualidade, portanto nunca estranho quando assuntos dessa natureza são levantados durante a aula, seja de maneira séria ou através de piadas e brincadeiras. Sempre levei a profissão de professor muito a sério, e entendo que é parte das minhas atribuições orientá-los em tudo aquilo que for importante para que tomem decisões embasadas e conscientes.
Por conta do meu estilo, que envolve interesse por bandas moderninhas, cinema e artes em geral, as turmas para as quais eu dou aula sempre me entendem como o professor mais descolado, e portanto em sintonia com muitos assuntos que interessam a eles. É algo natural, nunca fiz esforço para que essas relações se estabelecessem.

No intervalo, eu raramente vou para a sala dos professores. Prefiro ir até a cantina, ficar conversando e observando o comportamento deles, vendo como desenvolvem suas personalidades. Óbvio que eu reparo nas meninas mais bonitas, mas sou casado e sempre achei que, de certa forma, seria um pouco de covardia da minha parte tentar algo com alunas.

Quase todas as “tribos” vem conversar comigo: dos rockeiros aos evangélicos. Particularmente, prefiro conversar com os mais politizados, ou aqueles um pouco mais maduros, que já conseguem pensar sobre outros assuntos que não sejam os tipicamente adolescentes.

Num certo dia de junho deste ano a escola estava um pouco vazia pois muitos alunos estavam participando de jogos escolares em outra unidade. Isabela, uma das meninas com as quais eu sempre conversava, estava sozinha, sem sua turma. Ela é baixinha, certamente menos de 1,60m. Tem 18 anos, pele bem clara e rosada no rosto, cabelo escuro, ondulado e cortado na altura dos ombros, tem olhos grandes e castanhos, enfeitados por um óculos com armação preta e relativamente grossa, uma boca grande e realmente linda, com lábios que parecem desenhados. Isabela tem uma bunda média e bem redondinha, coberta quase sempre pela calça de malha com o logo da escola. Mas o que deixa os homens caídos por Isabela está acima da cintura. Seus peitos são grandes, muito maiores do que suas colegas, e sua cintura é bem fina, o que deixa seu corpo desproporcional, da melhor maneira possível. Nunca havia visto Isabela com decote, pois era proibido na escola. Mas mesmo por baixo de camisetas dava pra perceber que eram incríveis.

Nesse dia eu estava passando pelo corredor e ela vinha na direção contrária. Parou para me cumprimentar (como sempre fazia) e me deu um beijo no rosto, coisa que nunca havia feito, o que me deixou um pouco desconcertado. Também nunca havia sentido seu cheiro, e percebi que usava um perfume bem suave e adocicado. Ela começou a conversar amenidades, sobre o que havia feito no fim de semana. Contou um pouco sobre o namorado, momento em que ficou menos eufórica e com olhar cabisbaixo. Para minha surpresa, ela terminou a conversa dizendo “tchau, professor gatinho”, me deu outro beijo no rosto e entrou na sala de aula.

Na semana seguinte, Isabela retuitou algo que eu tinha postado, e depois me mandou uma dm para conversar sobre o assunto, que era uma amenidade qualquer, algo sobre um filme em cartaz, nem lembro. Mas a conversa logo passou a ser o seu namorado, que eu não conhecia e era um pouca coisa mais velho que ela. Ela começou a se queixar, mas de forma muito genérica, e eu tentei orientá-la na medida do possível. Ela percebeu que eu tinha certa experiência e estava a fim de conversa. Nesse momento Isabela passou a dar detalhes intimos da relação.

– Ele é muito legal comigo, mas parece meio distraído na hora do sexo. Gosto muito dele, mas queria que ele me desse mais atenção, sexualmente falando.
– Explica melhor. O que ele faz? O que ele não faz?
– Ele não gosta muito de me chupar. Na verdade parece que não gosta nem que eu faça nele, é estranho. Ele gosta só de transar normal, e goza rápido.
– Mas você goza?
– Eu não sei, quer dizer, acho que sim. Mas acho pouco, fico sempre querendo
mais. Me masturbo de vez em quando, mas não sei direito como fazer, ou não fico motivada o suficiente. Não sei. É frustrante.

Eu não sabia se esse papo dela era realmente verdade, ou se ela estava interessada em mim e usando isso pra chegar mais perto. De qualquer forma, continuei conversando no sentido de tentar ajudá-la.

– E a sua esposa professor, ela goza?
– Muito, e de todos as formas possíveis.
Essa minha resposta gerou um silencio. A sua resposta, que era sempre instantanea, demorou alguns minutos para vir.
– Ela tem sorte.

Dessa vez fui eu que demorei para responder. Na verdade só fui responder no dia seguinte, durante a aula, quando ela me encontrou no intervalo.

– Oi, tá tudo bem? – ela perguntou. Estava com uma blusa branca que marcava muito seus seios e sutiã. Não consegui evitar de olhar por alguns segundos.
– Claro, tudo. E contigo?
– Continuo na mesma… Alguma dica?
Ri pela situação e ela também. Enquanto isso, pensava em uma resposta.
– Faz assim: convida ele pra ir no motel. De repente lá ele se solta mais…
– Já tentei, ele não quer. Ele diz que acha meio nojento, que ele ouviu histórias nojentas de quartos sujos…
– Ah, mas depende do motel, né?
– Eu sei, mas ele não curte. Acredita? Tenho 18 anos há 8 meses e nunca fui num motel! Todas as minhas amigas já foram… eu morro de vontade!
Ela mal terminou a frase e o sinal tocou. Nos despedimos e o dia correu normal. Na volta pra casa, resolvi mandar uma dm pra ela, em tom de piada.

– Eu te levo no motel, pronto, problema resolvido!
A resposta foi imediata:
– Oba! Quando?
– Quando vc quiser – respondi, com um smile com olho piscando.
– Amanhã as 9?

Era um sábado e minha esposa estava viajando. Perfeito.
– Combinado.

As horas demoravam pra passar, e eu não sabia direito o que me esperava. Mas o corpo de Isabela era tão incrível que valia a pena. Se eu pudesse ver seus peitos, já estaria feliz.

Fomos no meu carro, e Isabela apenas me olhava e sorria, com aquela boca carnuda e linda. Ela estava com um vestido solto, não muito curto, de alcinha, e tinha um leve decote. Ver ela assim já era uma novidade, pois na escola não permetiam esse tipo de roupa.
Entramos no quarto e ela estava muito feliz por estar ali. Mexeu nas luzes, no som, foi olhar a banheira. Encontrou um pacote com camisinha e lubrificantes e veio correndo me mostrar.

– Obrigada por me trazer aqui. É divertido. E agora?
– Agora a gente tem que usar cada centímetro desse espaço – disse isso e a puxei para perto de mim. A boca dela encostou na minha e logo senti sua lingua procurando espaço na minha boca. Nos beijamos em pé por um bom tempo. Seu beijo era molhado e sua boca grande dava vontade de morder.

É um tanto curioso, pois Isabela alternava momentos em que parecia muito experiente com outros completamente desajeitados, mas ainda assim mantinha certa graça. Por exemplo, quando se abaixou para tirar minha calça e fez isso olhando nos meus olhos e com cara de moleca, mas lambendo o lábio. Porém, quando meu pau ficou a mostra, ela não sabia o que fazer direito. Ora lambia a cabeça rapidamente, ora punhetava de maneira errada, movendo o pau na lateral e não na vertical.

Eu disse: “O que você está fazendo?” Ela respondeu, rindo, que não sabia muito bem, mas queria aprender. Eu estava obcecado em ver ela nua, então disse que depois ensinava. Ela tentou me beijar mas eu levantei a cabeça me esquivando só pra provocá-la um pouco, e foi então que ela deu um pequeno pulo e cruzou as pernas na minha cintura para alcançar minha boca. Como ela era pequena e leve, não tive nenhum problema em ficar nessa posição, que deixava seus seios numa altura ótima. A alça direita já estava meio caída, então não foi difícil baixa-la de vez. Finalmente, pude então ver seus peitos. Estavam a um palmo de mim, e eram realmente enormes e macios. As auréolas eram grandes, rosadas, quase brancas e eu encarei elas por alguns segundos antes que enchessem minha boca. Isabela soltava gemidos, e eu confesso que perdi a noção do tempo. Realizava meu desejo. Chupei os peitos de Isabela como se não houvesse amanhã. Obvio que eles não cabiam na minha boca, então eu alternava lambidas nos mamilos com beijos mais nervosos na parte de cima. Ela continuava com a cabeça sobre meu ombro, respirando de maneira ofegante e tentando me beijar quando eu dava breves intervalos.

Seu vestido curto já estava na altura da cintura, então foi fácil colocar a mão em sua calcinha. Senti o calor que vinha da região, e aproveitei para mexer seu clitóris com o dedo, ainda de maneira lenta. Isabela, que na escola era uma menina falante e desinibida, agora respondia com frases curtas e falava pouco.

– Hoje você vai gozar, e vai gozar muito, eu disse.
– Finalmente – ela respondeu, com um sorriso lindo no rosto, antes de me beijar novamente.

Pedi pra ela, ainda com as pernas cruzadas nas minhas costas, tirar o vestido. Ela fez, olhando nos meus olhos, e eu terminei de tirar seu sutiã. Pronto, ela estava só de calcinha, embora eu não conseguisse ver direito. Deitei ela na cama, com jeito, e vi que sua calcinha era daquelas tipo shortinho, branca, de algodão e não muito colada no corpo, o que combinava muito com seu estilo. E havia uma marca de umidade perto do clitóris. Beijei e chupei por cima da calcinha, ela riu e disse que fazia cócegas. Tirei a calcinha devagar e junto saiu um filete liquido pastoso que ligava sua calcinha a boceta. Que, aliás, não era depilada, mas seus pelos eram ralos e um pouco mais claros que a cor do cabelo. Sua boceta era pequena e gordinha nos lábios, que por sua vez eram bem fechados. Fiquei encantado. Meu pau já estava muito duro, então tirei minha roupa e num gesto instintivo aproximei meu pau da entradinha, fiz uma leve força e parei.

Para me torturar um pouco mais, comecei a chupar a boceta da minha aluna, agora totalmente entregue: deitada e nua. Eu não sou um senhor dotado de extrema experiência, mas sempre fiz minhas parceiras atingirem o gozo com sexo oral.

Comecei lambendo os lábios, sentindo cada milímetro com minha língua. Isabela, nesse momento, parecia um pouco nervosa. Parou de respirar de maneira ofegante e ficou me olhando, cabeça curvada para frente e corpo meio tenso. Recuei, beijei a parte interna das suas coxas, subi para a barriga até chegar no bico dos seus seios. Dei um beijo carinhoso e beijei também sua boca.

– O que foi? Você parece tensa. Não gosta de ser chupada?
– Não sei, nunca fui.

Apenas sorri e não disse nada. Então desci novamente pela sua barriga até parar no clitóris, onde lambi e fiz alguns movimentos circulares. Primeiro devagar, depois alternava entre lambidas rápidas e médias. Isso deve ter durado uns dois minutos, até que ela deixou a cabeça tombar no travesseiro, fechou os olhos e começou a gemer. Seus gemidos começaram a ficar ritmados, de acordo com os movimentos da minha boca. Percebi que ela estava feliz e satisfeita. Aquela menina, linda e com um corpo inacreditável, era toda minha. Lambi rápido seu clitóris, até que parei e apenas pressionei ele com a língua. Uma pressão leve, que logo passou a ser pesada. Isabela fechou as pernas, prendeu minha cabeça e começou a contorcer o corpo. Eu continuava pressionando seu clitóris com a língua. Ela respirou fundo e falou alguma coisa que eu não entendi. Seus gemidos pararam e ela soltou um grito abafado.

Continuei lambendo, agora de maneira mais lenta, a sua boceta encharcada. Não existe gosto melhor que o de boceta que acabou de gozar. Ela passava a mão no meu cabelo, e ficou por um tempo com os olhos fechados e quase desmaiada. Ficamos um bom tempo nessa posição. Eu ficaria ali pra sempre.

Até que ela começou a se recuperar e a gemer novamente, ainda fazendo carinho na minha cabeça. Levantei o corpo, coloquei meu pau novamente na entradinha da sua boceta e deixei meu corpo cair sobre o seu, de maneira lenta mas firme, sem paradas. Meu pau entrou todo de uma vez, e eu comecei a meter, segurando seus peitos. Ela finalmente abriu seus olhos até o final, sorriu e disse: obrigada. Eu apenas sorri de volta e continuei. Depois de tudo o que aconteceu, sabia que se metesse rápido, logo gozaria, então diminuí o ritmo. Ela fazia carinho nas minhas costas, e aos poucos notei que sua respiração estava ficando mais ofegante novamente. Levei sua mão até sua boceta e ela rapidamente aprendeu onde colocar o dedo.

Percebi que ela fazia movimentos circulares rápidos, e depois apertava por um tempo, do mesma forma que eu havia feito com a língua minutos antes. Não demorou muito e ela gozou forte mais uma vez, só que agora mordendo os lábios, apertando o seio com uma das mãos e me olhando nos olhos. Eu não aguentei mais nem um segundo, tirei meu pau da sua boceta e apontei para os seus peitos, ela fez uma cara de assustada, mas logo entendeu o que estava acontecendo e com as duas mãos juntou seus seios. Acho que não era a primeira vez que alguém gozava neles. Eu soltei o primeiro jato direto nos peitos de Isabela, mas o segundo e o terceiro saíram um pouco do controle e atingiram seu pescoço, a lateral do rosto e um pouco do seu cabelo. Ela deu uma gargalhada e ficou me olhando meio envergonhada.

Eu não disse nada, fiquei apenas observando e me recuperando. Ela passou o dedo na porra que estava no rosto, tateando para ver até onde tinha ido. Para minha absoluta surpresa, Isabela levou o dedo até a boca e chupou, como quem chupa leite condensado da latinha. Ela riu de novo e disse: é doce meio azedo!

Fomos para o banho, onde ela voltou a dizer que tinha adorado o gosto da minha porra. Eu disse: sério? E ela respondeu: porque, não pode? Você pareceu gostar do gosto do meu gozo.
Ouvir aquilo fez meu pau ficar duro imediatamente. Ela viu e se abaixou para chupar. Dessa vez eu fui ensinando, dizendo pra ela lamber as bolas também, passar a língua na base e tudo mais. Ela fazia exatamente como eu mandava, e eu logo avisei que ia gozar. Ela permaneceu chupando, e eu enchi aquela boca deliciosa com minha porra. Pedi para ela continuar chupando, lambendo, mas com mais calma e menos força, e assim ela fez, até limpar meu pau. Primeiro com a boca, depois ela fez questão de lavar com sabonete e secar com a toalha.

Ficamos no motel por mais umas três horas, e cumprimos o que combinamos na chegada: transamos em cada canto possível.

कमिंग

गुमनाम
यह मेरे शहर में एक छोटी सी बारिश की दोपहर थी … एना ने मुझे यह कहते हुए बुलाया कि हम अंत में मोटल जाने के लिए निकलेंगे … एना एक स्टील की महिला है, वह 27 साल की है, 1.68 अधिक या कम और वह एकदम सही महिला नहीं है, लेकिन उसके पास एक सुंदर शरीर है कामुक, सामान्य शरीर और साफ, चिकनी, सुगंधित त्वचा…
एक स्वादिष्ट मुंह और एक गधा जो तब तक केवल एक बार एक लिंग द्वारा चुदाई किया गया था (जो उसे पसंद नहीं था)।
जिस महिला को मैं महीनों से जीतने की कोशिश कर रहा था, उसके विचार से सभी उत्तेजित थे, मुझे और भी आश्चर्य हुआ कि उसने मुझे “छोड़ने की इच्छा” कहा।
खैर, मैं एक दूसरे को बहुत फुसफुसाते हुए बार में देखने को तैयार हो गया और फिर हम इस क्षेत्र के एक बहुत अच्छे होटल में गए। सजा के रूप में, हम शाम 5:30 बजे सहमत हुए, लेकिन बारिश ने केवल 7:00 बजे आने की अनुमति दी; और वह, मुझे पहले से ही थोड़ा अधीर बना दिया था।
जब मुझे आपका संदेश यह कहते हुए प्राप्त हुआ कि जल्दी से, मेरी पैंट में आयतन जल्द ही बढ़ गया और मेरा दिल दौड़ गया …
मैं उससे मिलने गया, और अवसर में, मैं उसके पूरे स्तनों को दिखाने के लिए पहने हुए दरार को देख सकता था। मैं एक स्वादिष्ट जीभ चुंबन के साथ स्वागत किया गया था, और वह पहले से ही मुझसे कहा:

  • हम सीधे वहाँ जा रहे हैं क्योंकि आज तुम मेरे हो जाओगे।
    हम टैक्सी में बैठ जाते हैं, और पाँच मिनट में हम होटल पहुँच जाते हैं। मैंने पूछा कि यह रिसेप्शनिस्ट के लिए दैनिक या रात भर था, और एना पहले से ही कह रही थी:
  • समय को खुला छोड़ दें, जब हम आपको खाता बंद कर देंगे … और मुझे यह विचार अच्छा लगा। हमने चाबी ली और हॉल से पहली मंजिल तक गए। जैसे ही मैं सीढ़ियों से ऊपर गया, मेरे हाथ पहले से ही उसकी पैंट पर घुसपैठ कर रहे थे और उस प्यारी सी चूत को छू रहे थे। कमरे में पहुँचकर। लंबी जीभ चुंबन (क्या एक मुंह औरत है), और मैं, इसे अब और नहीं ले रही, उसके हाथ मेरे डिक, जो और अधिक उसकी जींस के तहत लकड़ी का एक टुकड़ा की तरह दिखाई देता से अधिक भाग गया।
    उसने तंग किया और कहा:
  • मैं लगभग पहले से ही इसका आनंद ले रहा हूं … मैंने उसे जाने देने में कोई समय बर्बाद नहीं किया और उसने कहा “मुझे शर्म आ रही थी” … मैं अभी भी साबुन को सूंघता हूं, क्योंकि मैंने घर से बाहर निकलते समय सिर्फ एक शॉवर लिया था, मैंने ज़िप से टुकड़ा बाहर निकाल लिया। उस रात लकड़ी का उपयोग किया जाएगा।
    वह प्रशंसित लग रही थी। फिर मैंने उसे बालों से पकड़ लिया और उसके मुंह को थोड़ा अपनी ओर किया। वह नीचे नहीं जाना चाहती थी, इसलिए मैंने थोड़ा मुश्किल खींचा, और मैंने उसके कान में कहा:
  • “चूसो, क्योंकि तुम आज मेरी हो जाओगी” और उसके कान और गर्दन पर अपनी जीभ चला रहा था जिसने उसे हंस और धमाकेदार बना दिया। उसने अपना सर नीचे किया और मेरा लंड पकड़ लिया। क्या स्वादिष्ट मुंह है। यह चूत जैसी लग रही थी। गर्म, नम और नरम। मैं लगभग इस तस्वीर के साथ आया था। मेरे रवैये से डरने के बाद उसने 5 मिनट से अधिक समय तक मेरा लंड चूसा और चूसा और अपने मुँह से बाहर निकाला और कहा:
  • मैं आने वाला हूं … आओ और मुझे खा लो प्लीज ।।
    मैंने उसे अपने पैरों पर रख दिया, उसके सारे कपड़े इतनी कसकर और तेज़ी से उतार दिए कि मैंने लगभग उसे चीर दिया। और मैं अंततः उस शेव की सराहना करने में सक्षम था जो सभी मुंडा और सभी गीले पारदर्शी और सुगंधित शहद के साथ था। मैंने अपनी जुबान पर गहरी चोट की और उसकी पहली कराह सुनी …
    मैंने अपने सारे कपड़े निकाल कर उसे चारों खाने चित कर दिया और मैंने अपने सदस्य के शरीर को उसकी चूत और उसकी गुलाबी गांड के बीच से गुज़ार दिया। वह कराहती और झपकी लेती रही। यह संकेत देती हैं कि मैं चाहता था .. मैं जल्दी से इस स्थिति को छोड़ दिया और कहा कि गुलाबी पिछवाड़े में मेरे गर्म जीभ मुक्का मारा लेकिन चूसने लेकिन मेरी जीभ सींग का लाल बिल्ली है कि उसे शहद dripped के साथ बातचीत के साथ चुंबन नहीं …
    मैंने चाट लिया, अपनी जीभ को बहुत मुश्किल से छुआ और अपनी छोटी उंगली से उसे मजबूर किया। उसने विलाप किया और खाने के लिए कहा क्योंकि वह आने वाली थी, लेकिन यातना जारी रही … मैंने उसे बालों से पकड़ लिया और बिस्तर से बाहर खींच लिया .. मैंने उसे एक कच्छी के साथ किया और मेरा मुर्गा चूसा था जब मैं अपनी कोठरी में वापस चला गया था .. वह चला गया। जब तक मेरी गेंदें आपके होंठों पर न टकरातीं, तब तक मैं अपने मुंह में अपने सारे डिक को महसूस करता, और अपनी गेंदों को नरम, गर्म जीभ से चाटता।
    ऐना स्नान के किनारे अपने एक पैर के साथ पानी में बैठी, मेरे सामने उस चूत के साथ मुस्कुरा रही थी। मैंने हल्के से खींचा और उसे वल्वा और स्पष्ट गधे की अंगूठी के साथ छोड़ दिया। xana और मैं फिर से अपनी छोटी उंगली के लिए मजबूर कर रहे थे। मैं आखिरकार उसे पेश करने में कामयाब रहा … इन शिकारियों में पहले से ही एक घंटे से अधिक था और मैं पहले से ही गिन रहा था कि वह कितनी बार आई थी। मेरे डिक को वास्तव में चोट लगी है … यह धड़क रहा था और मैं इसके अंदर अपना दूध छोड़ना चाहता था, इसके अंदरूनी हिस्सों पर आक्रमण किया … मैं इसे नहीं ले सकता था। मैंने अपनी उंगली उस गधे और मेरी बिल्ली की जीभ से निकाल ली और अपने डिक के सिर को छू लिया। उसने विलाप किया और पूछा:
  • कृपया, बिना कंडोम के न रखें। मैंने तुमसे कहा था कि मैं तुम्हें उकसाने की कोशिश कर रहा था। मैंने कई बार उल्लेख किया कि मैं एक ही बार में मुक्का मारूंगा … मैं एक रॉकेट की तरह स्नान से बाहर निकला और बेडरूम में गया, एक अंगूर का कंडोम लिया और इसके साथ वापस आया जो पहले से ही मेरे हाथ में खुला था। मैंने उसे हस्तमैथुन करते पकड़ा और इसने मुझे पागल कर दिया।
    मैंने उससे पूछा कि वह अपनी उंगलियों का उपयोग क्यों कर रहा है?
    और उसने कहा: –
    मैं इस सनसनी के एक पल को याद नहीं करना चाहता, अब आओ और मुझे खाओ … मैं और अधिक आनंद लेना चाहता हूं …
    मैंने आपके अनुरोध का अनुपालन नहीं किया। मैंने अपना सर नीचे किया और उसकी चूत को चूसने लगा, उसने अपनी आँखें बंद कर लीं, कराह उठी और (अपनी आँखें बंद किए हुए)।

मैंने उसका फायदा उठाया और कंडोम को छड़ी पर रख दिया .. कहीं बाहर से, बिना किसी चेतावनी के, मैंने उसे आगे खींचा, और झटके से, एक ही बार में, मैंने उस योनी में पूरा लंड मुक्का मार दिया… उसने कराहते हुए कहा: “aiiiiiiiiiiii कुतिया का बेटा, मुझे खा, चोदो । मुझे ऐसे ही चोदो, मुझे फिर से आने दो… मैं तो पहले से ही तुम्हारे लंड का दीवाना था, मेरे पुरुष… ”मैंने अपना लंड लगभग एक मिनट तक उस चूत के निचले हिस्से में रखा, उसे मजबूर किया कि जैसे अभी और भी कुछ आना बाकी है। मानो मेरी कमर भी उसे चोद सकती है… और वो हिलना चाहती थी… उबल रही थी… मोअन कर रही थी और मुझे कोस रही थी… मैंने अपना सारा लंड निकाल लिया और उसके लंड के आस पास के गोरे गोरे लंड को देखा। मै खुद को रोक नहीं सका। मैं इसे बाथटब से बाहर ले गया, बिस्तर पर ले गया और फिर से उस गुलाबी गधे में निवेश किया, और इतना कठिन था कि मेरे छोटे से कमरे पर आक्रमण किया।
उसने कहा:

  • “एक कुतिया का बेटा, मेरी गांड तुम नहीं खाओगे, मैंने एक बार कोशिश की थी और यह बहुत दर्द देता है, मैं नहीं चाहता कि …” मैंने उसे चुप रहने के लिए कहा और उसे यह पसंद नहीं आया क्योंकि चूतड़ जो उसकी गांड खा गया वह मैं नहीं था। वह नहीं जानता था कि एक महिला को हर वेश्या से बाहर कैसे आना है।
  • क्या मैंने आपको अपने अंदर रहने का आनंद नहीं दिया? क्या मैंने आपको मेरे डिक को हिलाए बिना नहीं बनाया … बस प्रवेश किया? ट्रस्ट और मेरे लिए आराम छोड़ … मैं आइसिस कि पिछवाड़े में एक चुंबन दे दिया और मैं उसे निमिष, पर आक्रमण किया जा करने के लिए भीख माँग रहा था। करीब 20 मिनट तक चूसने, चाटने और ऊँगली करने के बाद … मैं उस गांड में दो उंगलियाँ डालने में कामयाब रहा और मैं अपने लंड का सर उस गांड में डालने का विरोध नहीं कर सका। वह कराह उठी, और छोड़ना चाहती थी .. मैंने उसे बस आराम करने के लिए कहा।
    मैं उसे अपने घुटनों पर हेडबोर्ड के बहुत करीब ले गया। मैंने तुमसे कहा था कि हेडबोर्ड पर पकड़ और अपने गधे को पीछे करो। मैं इसे चाट रहा था, यह नम और मेरे सिर को मजबूर कर रहा था। लगभग दस मिनट के लिए मैं उस मांस को निविदा कर रहा था, और मैंने उस गधे में अपने डिक के सिर को मुक्का मारा। वह विलाप करती है और छोड़ना चाहती है, लेकिन वह कहीं नहीं चला था। वह नरम और 4 बनना चाहता था, लेकिन कम जगह नहीं थी। मैं उसे वहाँ उसके घुटनों पर उसके सिर के साथ अपने मुर्गा पर उसे गधे पर हिल छोड़ दिया और मैं उसे वापस चुंबन किया गया था, शरीर उसकी के खिलाफ झुकाव, उबलते। मैं अपने कान के पीछे चूमा, मैं अपने सीमित करने के स्तंभ नीचे चला गया और वह shivered और moaned .. लेकिन वह यह चोट ने कहा … और मैंने कहा कि मैं केवल अधिक धक्का जब मुझे लगा कि मैं आराम से की गई थी। झूठ! मैं लगभग सभी कि पूंछ के अंदर था .. मैं इसे नहीं ले सकता, एक बार में सिर्फ 2 सेंटीमीटर लापता और मैंने देखा कि एना बेहोश गिर जाते हैं। मैं आयोजित उसे मेरे हाथ में उन पूर्ण और स्वादिष्ट स्तन पकड़े चूमा और मेरी ओर खींच लिया ..
    मुझे लगा कि मेरे नितंब मेरे श्रोणि को छूते हैं, मेरी छाती के पीछे, मुझे लगा कि उसके बालों और उसके दिल की स्वादिष्ट गंध है और मैंने कहा:
  • अब मैं आना चाहता हूं ।।
    और उसने कहा,
  • कृपया मुझे तुरंत दूर करें और इसका आनंद लें क्योंकि मैं पास होने जा रहा हूं, मैं यह नहीं बता सकता कि यह खुशी या दर्द है, लेकिन मैं दुनिया के किसी भी अर्थ के साथ नरम हूं और मुझे कोई मंजिल नहीं है। मुझे कुतिया का बेटा चोदो, मुझे सह से भर दो .. मेरी गांड को वैसे ही खा जाओ जैसे तुम जानते हो। मैंने इसे शुरू में धीरे-धीरे पंप किया। अपने श्रोणि की हड्डियों द्वारा दृढ़ता से पकड़ना। मैं संभोग की उस अवर्णनीय अनुभूति द्वारा आक्रमण किया गया था। मैंने इसे तब तक रखा जब तक कि मैं गेंदों को नहीं छूता, धीरे-धीरे, और इसे बाहर निकालता हूं, जब तक कि यह मेरे सिर की नोक पर बहुत जल्दी नहीं था, तब मैंने इसे धीरे से मुक्का मारा। उसने हलचल की, विलाप किया, बदमाश चिल्लाए। इस तरह से लगभग पाँच मिनट और मैं इसे बर्दाश्त नहीं कर सका … मैंने अपने होंठों से एक हॉवेल बाहर निकलने दिया, भले ही मैं नहीं चाहता था, मैं आया और मैं आया और मैं तब तक आया जब तक मैं थरथराया नहीं … और उसके साथ मेरे बगल में लेट गया …
    मेरे अंडकोष में इतनी चोट लगी कि मैं आ गया, लेकिन मैं महसूस करता रहा कि उसकी पूंछ मेरे लंड को स्वादिष्ट रूप से काट रही है। वह कह रही है कि वह मुझसे नफरत करती थी क्योंकि मैंने उसकी गांड तोड़ी थी, लेकिन यह कि वह मुझसे प्यार करती थी क्योंकि मैंने उसकी गांड को खाया और उसे अपना बना लिया …
    मुझे विश्वास नहीं हुआ और अपना हाथ उसकी चूत पर रख दिया। मैं सब शहद से नहीं, बल्कि भोग से, शुद्ध सफेद सुगंधित दूध से, जो मैंने अपनी जीभ पर, और आपके मुंह में …
    मैंने अपने डिक को उस अच्छी गांड से बाहर निकाल लिया, उसे बंद करने के लिए, जैसे कि यह पहले कभी गड़बड़ नहीं हुआ था। मैं इसे बंद कर रहा था और कहा:
  • उसके बाद से उस गधे पर अकेले मेरा होगा … उसने कहा कि वह अब ऐसा नहीं चाहती थी क्योंकि उसे लगा कि मैं शादीशुदा हूं और यह अकेले उसका नहीं हो सकता … लेकिन मेरी हार्ड डिक को कैसा लगा कि मैं उसे बिना चोदे जाने नहीं दूंगी। तुम्हारी चूत वैसे ही जैसे मैंने गांड में की थी।
    मैंने धीरे से अपने धड़कते हुए लंड को उस गांड से बाहर निकाल लिया। आश्चर्य: कंडोम में गंदगी का कोई संकेत नहीं था!
    मैंने कंडोम उतार लिया और उसके चेहरे, स्तनों और पेट को सहने दिया। मैंने उसे अपने सामने लिटा दिया, थोड़ी देर उसकी चूत से शहद चूसा और उठ गया, एक और कंडोम लगाया और हम वहाँ चारों तरफ खड़े थे, उसकी पीठ पर, खड़े होकर, बिस्तर के सिर पर, जब तक मैं खड़ा नहीं हुआ, तब तक मैं उसे चोदता रहा। मैंने डिक को उस चूत से बाहर निकाल लिया, मैंने कंडोम को फाड़ दिया और अपने डिक से एक जेट को सहने दिया, लगभग 30 सेंटीमीटर की दूरी तय करते हुए, उसके चेहरे पर हाथ फेरा। उसने अपने चेहरे पर गर्म दूध महसूस करने में कोई समय बर्बाद नहीं किया और पहले से ही मेरे लंड को चूसते हुए, उसे चूसते हुए, उसे हिलाते हुए और उसे स्वादिष्ट चूसते हुए। मैं चीखती, चिल्लाती और अपने पैरों को नरम करती हुई आई। एना सनसनीखेज है, वह मुझे एक आदमी से अधिक बनाती है, वह मुझे बिस्तर पर पूरा करती है। उन्होंने कई बार हार मानकर मेरा मजाक उड़ाया।

पहले से ही नरम हो गया, उसने मुझे छोड़ने के लिए कहा क्योंकि उसे काम पर जाने की जरूरत थी। 22 बज चुके थे और हम वहाँ लगभग तीन घंटे तक चुदाई, चुदाई और चुदाई करने के लिए रुके।
लेकिन यह मेरे जीवन की सबसे अच्छी शेगिंग में से एक थी .. इसकी महक ने मुझ पर आक्रमण किया .. इसकी खूबसूरत और साफ, महकती चूत। उसके गर्म होंठ, उसकी गर्म गांड .. वो मेरे साथ अक्सर बाहर जाना चाहता है, और इस महीने, हमारे पास वो मौका होगा …


GOZANDO MUITO E GOSTOSO

Anônimo

Era uma tarde um pouco chuvosa em minha cidade… Ana me ligou dizendo que finalmente sairíamos para ir a um motel…Ana é um mulheraço, tem 27 anos, 1,68 mais ou menos e não é a mulher perfeita, porém tem um corpo bastante sensual, corpo normal e pele macia limpinha cheirosa…
Uma boca deliciosa e uma bunda que até então só havia sido fodida por um pênis uma vez (que ela não curtiu).
Todo agitado com a idéia de ter a mulher que eu estava a tentar conquistar por meses , eu até estranhei o fato dela me ligar “querendo sair..”

Bem, combinei então de nos vermos no em um barzinho bem sussegadoe depois , irmos a um hotel bem legal da região. Parecendo ser castigo combinamos às 17h30min, mas a chuva só a deixou chegar ás 19h00min; e isso, já havia me deixado um pouco impaciente.
Quando recebi sua mensagem dizendo que estava chegando, rapidamente, o volume em minha calça logo cresceu e o coração disparou…

Fui ao seu encontro, e na oprotunidade, há pude ver o decote que usava para mostrar seus seios fartos. Fui recebido com um delicioso beijo de língua, e ela, já me disse:
– Vvamos direto para lá porque hoje você será meu.
Entramos num táxi, e em cinco minutos chegamos ao hotel. Perguntei se era diária ou pernoite para a recepcionista, e a Ana já foi dizendo:
– Deixa aberto o tempo, quando sairmos você fecha a conta… E eu adorei a idéia. Pegamos a chave e subimos para o primeiro andar onde desde o corredor. Já enquanto subia pelas escadas as minhas mãos já se intrometiam em sua calça e tocavam aquela xana meladinha. Ao chegar ao quarto. longos beijos de língua (que boca aquela mulher tem), e eu, não agüentando mais passei sua mão sobre o meu pau, que mais parecia um pedaço de madeira sob o jeans.
Ela segurou firme e disse:
– Estou quase gozando já… Não perdi tempo a mandei soltá-lo e ela falou “que estava com vergonha”… Eu aonda com o cheiro do sabonete, pois havia acabado de tomar banho ao sair de casa, saquei de dentro do zíper o pedaço de madeira que seria utilizado naquela noite.
Ela olhou admirada. Logo a peguei pelos cabelos e forcei levemente sua boca em direção a ele. Ela fez que não desceria então puxei um pouco mais forte, e falei no ouvido dela:
– “Chupe, pois você será minha todinha hoje” e passando a língua em sua orelha e pescoço que a deixou toda arrepiada e mole. Desceu a cabeça e abocanhou meu pau. que boca deliciosa. Parecia uma xana. Quente, úmida e macia. Quase gozei só com esta abocanhada. Após o susto com minha atitude ela mamou e mamou meu cacete por mais de 5 minutos sem tirar da boca e falou:
– Estou para gozar..vem me comer por favor..

Coloquei-a de pé, tirei toda a sua roupa tão firmemente e rápido que quase a rasquei. E pude finalmente apreciar aquela xana toda depiladinha e toda molhadinha de um mel transparente e cheiroso. Soquei a língua bem fundo e ouvi seu primeiro gemido…
Virei ela para ficar de quatro depois de tirar toda a minha roupa e passei o corpo de meu membro entre sua xana e seu cuzinho rosado. Ela gemeu piscou. Foi a deixa que eu queria.. saí rapidamente desta posição e soquei a língua quente naquele cuzinho rosado mas não chupando e sim beijando de língua interagindo com a xana já vermelhinha de tesão que gotejava seu mel…

Lambi, soquei a língua bem forte e forcei com o dedinho. Ela gemia e pedia para ser comida porque ia gozar, mas a tortura continuou..Peguei-a pelos cabelos e a tirei da cama .. Fiz com se agachasse e mandei mamar meu pau enquanto eu andava de costas para o closet.. Ela foi andando e socando ate minhas bolas bater em seus lábios… Como eu gemi deliciosamente ao sentir todo meu pau naquela boca, e com aquela sua língua macia e quente lambendo minhas bolas….

Ana sentou-se na beirada da banheira ficando com uma das pernas na água, arreganhada com aquela xana na minha frente..Puxei de leve e deixei-a com a vulva e o anel do cuzinho aparente ..Soquei a língua no cú e na xana e fui novamente forçando a entrrada de meu dedinho.. Consegui introduzi-lo finalmente… Já passava de uma hora nestas preliminares e eu já perdia as contas de quantas vezes ela havia gozado. Meu pau até doía de vontade… Latejava e eu queria deixar meu leite dentro dela, invadir suas entranhas… Não agüentei tirei o dedo daquele cuzinho e a língua da bucetinha e encostei a cabeçorra da minah rola. Ela gemeu e pediu:
– Por favor, para não colocar sem camisinha. Eu lhe disse que estava somente querendo provocá-la. Fiz várias vezes menção de que socaria de uma só vez… Sai da banheira como um foguete e fui ao quarto, peguei uma camisinha de uva e voltei com ela já aberta na mão. Peqguei ela se masturbando e isso me deixou louco ..
Perguntei-lhe porque estava usando os dedos?
E ela disse: –
Não quero perder um só momento desta sensação, agora vem e me come ..quero gozar mais…

Eu não atendi seu pedido. Somente baixei a cabeça e comecei a chupar sua buceta, ela fechava os olhos, gemia e se contorcia (de olhos fechados). Aproveitei isso e coloquei a camisinha no pau.. Do nada, sem avisar puxei-a para frente, e me agachando, de uma única vez, soquei todo o pau naquela boceta… ela gemeu: ”aiiiiiiiiiiii filho da puta, me come, caralho. me fode assimmm, me faz gozar de novo… Eu já estava louca por sua rola meu macho…” segurei meu pau ali no fundo daquela buceta por quase um minuto forçando para dentro como se ainda tivesse mais a entrar. Como se minha virilha pudesse fodê-la também.. E ela querendo mexer ..fervendo… Gemendo e me xingando.. Tirei todo meu pau e vi o branco de seu gozo em volta de minha pica. Não resisti. tirei-a da banheira, levei-a para a cama e novamente investi sobre aquele cuzinho rosado, e tão difícil de ser invadido por meu dedinho..
Ela falou:
– “Filho da puta meu cuzinho você não vai comer, tentei uma vez e dói muito, não quero isso…” eu mandei ela calar a boca e falei que ela não curtiu porque o vagabundo que comeu o rabo dela não era eu. Ele não sabia como fazer uma mulher gozar por todos os poros.. E perguntei:
– Eu não fiz você gozar entes de entrar em você? Não fiz você gozar sem mexer meu pau… apenas entrando? Confie e deixe o resto comigo… Dei um beijo de Isis naquele cuzinho e senti ele piscando, implorando por ser invadido . após uns 20 minutos de chupadas, lambidas e dedadinhas..consegui introduzir dois dedos naquele cuzinho e não resisti coloquei a cabeçorra do meu pau naquele cu.ela gemeu, e quis sair.. pedi para que apenas relaxasse.

Fiz com que ela ficasse de joelhos bem próximo da cabeceira da cama. Mandei segurar na cabeceira e empinar a bunda. Fui lambendo, deixando úmida de saliva e forçando a cabeça. Por quase dez minutos fui amaciando aquela carne, e soquei a cabeçorra de meu pau naquele cuzinho. Ela gemeu e quis sair, mas não tinha para onde correr. ela amolceu e quis ficar de 4 mas o espaço era pouco.. Deixei-a ali de joelhos com a cabeça no meu pau vibrando em seu rabo e fui beijando suas costas, corpo encostado no dela, fervendo. beijei a nuca orelhas, fui descendo pela coluna ate meu limite e ela se arrepiava e gemia.. Mas dizia que tava doendo ..E eu dizendo que só empurraria mais quando sentisse que tava relaxada. Mentira! Eu já estava quase todo dentro daquele rabo.. Não agüentei, faltando pouco mais que 2 centímetros soquei de uma vez e vi a Ana cair desmaiada..Segurei-a beijei segurando aqueles seios fartos e gostosos nas mãos e puxei para minha direção..

Senti a bunda encostar em minha pélvis As costas em meu peito, senti aquele cheiro delicioso do seu cabelo e o coração acelerado dela e falei:
– Agora eu quero gozar..
E ela disse,
– Por favor, soca logo em mim e goza porque eu vou desmaiar, não consigo dizer se é prazer ou dor, mas estou molinha sem noção do mundo parece que não tenho chão. Me fode filho da puta, me enche de porra .. Come meu rabo como só você sabe. Eu bombei inicialmente devagar. Segurando firmemente pelos ossos de sua bacia. Fui sendo invadido por aquela sensação indescritível de orgasmo. Colocava ate encostar as bolas, devagar, e tirava, ate ficar só a ponta da cabeça bem rápido depois socava devagar. Ela mexia, gemia, gritava safadezas. Uns cinco minutos assim e não suportei .. Deixei um urro sair pelos lábios, mesmo sem querer, gozei e gozei e gozei até estremecer …e cair junto com ela deitada ao meu lado …

Meus testículos doíam de tanto que gozei, mas fiquei ali dentro sentindo seu rabo morder minha pica deliciosamente. Ela falando que me odiava porque arrombei sua bunda, mas que me amava porque comi o rabo e a fiz gozar…
Não acreditei e passei a mão em sua xana. Estava toda encharcada, não de mel, mas de gozo, puro leite branquinho cheiroso que passei em minha língua, e em sua boca…
Tirei meu pau daquele rabo gostoso, para ele se fechar, como se nunca tivesse sido fodido antes. Fiquei admirando ele fechando e disse:
– Que dali para a frente aquele cú seria só meu …Ela falou que não queria mais isso porque achava que sou casado e não poderia ser só dela.. Mas que como sentia meu pau duro eu não devia ousar deixá-lo ficar mole sem foder a sua bocetinha igual fiz no cuzinho.
Tirei devagar meu pau latejante daquele rabo. Surpresa: a camisinha não tinha nem um sinal de sujeira!

Tirei a camisinha e deixei a porra escorrer em seu rosto, seios e barriga. Deitei-a de frente chupei o mel de sua buceta por um tempo e levantei, pus outra camisinha e ficamos ali fodendo, de quatro no torno, em pé, de costas, de frente e atpe sentada na cabeceira da cama, até que não agüentando tirei o pau daquela buceta, rasguei a camisinha e deixei um jato de porra que saiu do meu pau jorrar por uns 30 centímetros acertando seu rosto. Ela não perdeu tempo sentiu o leite quente no rosto e já abocanhou meu pau, chupando-o, punhetando-o e mamando gostoso ele. Gozei a ponto de gritar, urrar e amolecer as pernas… Ana é sensacional, ela me faz ser mais que homem, me faz ser completo na cama. Gozou comigo por vezes que perdemos a conta. Já amolecidos, ela me pediu para ir embora, pois precisava ir trabalhar. Eram 22 horas ficamos ali por quase três horas nessa safadeza de foder, chupar e gozar..

Mas foi uma das melhores transas da minha vida.. seu cheiro me invadia.. Sua buceta linda e limpa, cheirosa,. seus lábios quentes, seu rabo gostoso.. Ela quer sair comigo mais vezes, e este mês, vamos ter essa chance…

A DOCE VAGINA DE LUIZA

Anônimo

O relato que passo a contar, aconteceu dois meses após ter desvirginado minha filha Sofia.

Todos os nomes são fictícios para que a vida intima das pessoas sejam preservadas. Luiza era uma coleguinha de Sofia que depois das aulas terem iniciado, passou a frequentar quase que diariamente nosso apartamento. Tinha um corpinho que já delineava o quanto iria fazer os homens suspirarem. Loirinha, 1,58 cm, olhos verdes, bundinha redondinha e arrebitada, cinturinha fina, seios pequenos, um par de belas coxas e um pezinho lindo. Enfim, uma ninfeta que me deixava de água na boca. Era filha temporão de um casal de paranaenses. Por ser filha única, tinha todas suas vontades atendidas pelos pais. Mesmo assim, era muito tímida com relação ao sexo oposto. Bem vamos ao que interessa. Certo dia recebi uma ligação do Alceu, pai de Luiza, perguntando se ela podia passar uma semana em nossa companhia, justificando seu pedido dizendo que ele e a esposa, teriam que viajar até sua cidade de origem, para assinarem alguns documentos referentes a venda de suas terras e como Luiza não poderia viajar devido as aulas, não via outra alternativa que não fosse contar com a nossa colaboração. Aquele pedido foi como um presente, pois há muito planejava sentir o gosto de Luiza. Respondi que não tinha problema algum, pois Sofia iria fazer companhia a amiga, durante o tempo que estivesse em nosso lar. Dito isso, Alceu disse que naquela noite mesmo iria deixar Luiza conosco. Durante o almoço, contei a novidade para minha esposa Lídia, que depois de ter participado de vários menages com nossa filha, já antevendo o que poderia acontecer, olhou com um sorriso sapeca e perguntou quanto tempo levaria para iniciar Luiza nos prazeres sexuais. Respondi que dependia do grau de interesse dela, mas talvez ficando a sós comigo por uns dois dias… Lídia apenas me deu um sorriso e disse que iria bolar algo. Por volta das sete horas, Alceu chegou com a filha e Cláudia sua esposa, que por sinal era muito bonita, apesar da idade que depois fiquei sabendo ser 42 anos. Alceu fez as recomendações de praxe à filha e se despedindo, deixou nosso apartamento. Sofia muito alegre, pegou a mala de Luiza e chamou para seu quarto, onde eu já tinha colocado uma cama de campanha. Durante o jantar, conversamos sobre várias coisas, mas sempre Luiza respondendo as perguntas por monossílabos. Depois convidei todas para assistir um filme, só que Luiza dizendo que estava um pouco cansada, pediu licença e foi para o quarto tomar um banho antes de dormir. Sofia ao observar meus olhos para sua amiguinha, disse que a mesma era virgem, mas que já havia lhe perguntado algumas coisas sobre sexo. Dei uma piscadinha para ela, levantei-me e me dirigir para o seu quarto. Lá chegando, escutei o barulho do chuveiro e não resisitindo fui olhar por cima do box. Luiza estava lavando os cabelos e com isso havia fechado os olhos, portanto não poderia me ver. Estava de frente para mim e pude ver sua bucetinha quase sem pelos, com o clitóris saliente. Meu pau a esta altura estava para estourar dentro de minha bermuda. Retirei-me do quarto e ao chegar na sala, tanto Lídia quanto Sofia perceberam o quanto eu estava excitado. Lídia me dando um grande sorriso, disse que iria tomar um banho e me esperaria na cama. Sofia com um ar matreiro, disse: papai coma a mamãe bem gostoso, pois eu vou levar Luiza para vê-los trepando. Aquelas palavras me deixaram mais tesudo ainda. Chegando ao quarto, Lídia já estava deitada de bruços e só com uma tanguinha enterrada na bunda. Abri a porta do armário que tem um espelho e posicionei de forma que pudesse ver quem estivesse olhando da porta. Tirei minha roupa e fui logo lambendo aquelas carnes macias. Afastei a tanguinha para o lado e comecei a lamber sua xotinha molhada. Subi para o cuzinho e meti minha lingua naquele buraquinho delicioso e piscante. Lídia gemia e pedia: vai meu macho lambe, mete a lingua no meu rabo, lubrifica bem pois eu quero levar rola até não aguentar mais. Neste momento, vi Sofia pela fresta da porta. Piscou o olho para mim e puxou Luiza para o seu lado a fim de que ela pudesse nos observar. Lídia também viu e arqueando a bunda pediu: vem amor me enrraba gostoso, me arromba com esse pau gostoso. Não me fiz de rogado e lubrificando o pau com seu suco vaginal, fui enfiando a pica bem devagar, olhando para Luiza, que de boca aberta, via pela primeira vez um homem nú. Sofia muito esperta, comecou a passar a mão nas costas da amiga, que perplexa com a cena, não esboçou reação contrária. Depois de ter enfiado toda minha rola no cú de Lídia, comecei a fazer movimentos ritmados de vai-e-vem, ao mesmo tempo que apertava os seus mamilos e tocava uma siririca em sua buceta. Vai gostoso, me arromba, me fode, me rasga que eu estou gozando, me enche de porra e eu acelerei as estocada, batendo meu saco na sua buceta e por fim despejei uma boa quantidade de porra em Lídia. Tirei o pau e propositalmente virei-me para o rumo da porta de olhos fechados e pedi a Lídia que completasse com uma chupada em meu cacete. Ao abrir os olhos não vi mais as meninas na porta e deitando ao lado de Lídia, disse que tinha sido uma foda maravilhosa, o que Lídia concordou. Dormimos os dois nús. Acordei uma hora mais tarde com um grito vindo do quarto de Sofia. Levantei-me e na ponta dos pés fui ver o que era. A luz estava acesa. Olhei pela fechadura e vi Sofia chupando a buceta de Luiza. Bela sacana minha filha, foi mais rápida que eu. Luiza estava desfalecida, certamente devido ao orgasmo proporcionado por Sofia. Como se soubesse, minha filha olhou para a fechadura e me deu um belo sorriso. Retornei para o quarto e voltei a dormir. No dia seguinte durante o café da manhã, Lídia disse que iria visitar sua tia que se recuperava da cirurgia que havia feito e só retornaria no dia seguinte a noite e como as meninas tinham aula não poderiam acompanhá-la, pedindo-me que tomasse conta das coisas até sua volta. Concordei e disse que iria ligar para o escritório, avisando que não iria trabalhar naquele dia. Sofia vez ou outra olhava para Luiza e piscava, fazendo com que ela ruborizasse, mas respondia ao sinal. Luiza retirou-se da mesa e foi até o quarto, enquanto isso perguntei a Sofia se havia falado alguma coisa sobre nós. Sofia riu e disse que Luiza havia perguntado se era comum ela ficar olhando eu e sua mão fuderem. Disse que sim e que não tinha problema algum e que já havia até participado das transas. Perguntei qual foi a reação? Luiza disse que ela ficou tão excitada que começou a se masturbar e foi neste momento que ela pediu para chupá-la, fazendo-a gozar e gritar. Sorri para minha filha e pedi que a tarde desse um jeito de fazer Luiza dormir e em seguida se retirasse. Sofia sapeca como é, concordou apenas com a primeira parte, pois queria ver-me arrancar o cabaço da amiga. Como não havia outro jeito concordei. A tarde, por volta de três horas, eu estava em meu quarto dormindo, quando sentir Sofia deitar-se sobre mim e me beijar na boca. Levantou-se e disse que estava na hora e me puxou para o seu quarto. Ao entrar, quase tive um colapso, Luiza esta dormindo nuazinha na cama de Sofia, sua bucetinha pequenina, com uns parcos pelinhos loiros, me deixaram logo de pau duro. Sofia entrou no armário e lá ficou escondida. Me aproximei de Luiza, tirei meu short, sentei-me na cama e lentamente fui passando as mãos em sua bundinha, comecei a beijar sua costa e pescoço. Luiza tinha o sono pesado. Abrir suas nádegas e admirei aquele cuzinho rosado, virgem e perfumado. Passei a língua de leve, detendo-me na entradinha e enfiei a ponta da língua. Neste momento Luiza gemeu e acordando, virou-se de frente e ficou espantada com a minha presença. Perguntou por Sofia e eu respondi que ela tinha saído para comprar umas coisas para o nosso jantar e iria demorar mais ou menos uma hora. Luiza não parava de olhar para minha rola. Pediu que eu não fizesse nada com ela, pois era virgem. Respondi que não iria fazer nada que ela não quisesse ou que a machucasse, mas gostaria de poder tocar sua bucetinha e dar-lhe o mesmo prazer que Sofia tinha lhe dado e até mais. Ela percebendo que eu tinha visto tudo, baixou a cabeça e abriu as pernas, em um consentimento mudo. Comecei a beijá-la no pescoço, no rosto, na testa e dei-lhe um beijo na boca com bastante carinho, e ela correspondeu enfiando a língua em minha boca. Apertei os biquinhos eriçados de seus peitinhos, lambi, mordisquei e pus o direito todo em minha boca sugando; uma hora de leve outra com força, o que tirava de sua boca palavras desconexas e gemidos de dor e prazer. Fui descendo minha lingua até sua barriguinha lisa, passando pelo umbigo e chegando até sua rachinha totalmente úmida. Abri bem suas pernas e comecei a lamber os pequenos e grandes lábios, lambi o grelinho entumescido e a fiz chegar ao primeiro gozo e fazendo movimento circulares com a pelvis, melou todo o meu rosto com seu gozo gostoso, gozo de mulher virgem. Em seu ouvido, disse-lhe que agora iria lhe mostrar outra forma de prazer. Que iria doer só no começo mas logo passaria a ser gostoso. Ela olhou para mim e apenas pediu que fizesse com carinho. Levantei suas pernas, pondo-a em posição de frango assado, lubrifiquei meu pau com seu suco e coloquei minha pica na entrada de sua xotinha. Fui enfiando até sentir a resistência do hímem e dei uma estocada, arrancando um grito de Luiza e sentindo que o cabaço havia rompido. Luiza chorou e disse que tinha doido. Disse-lhe que o pior já havia passado e agora seria só prazer e beijando sua boca, fui enfiando o resto de minha rola naquela grutinha apertadinha, que se contraia a ponto de ter a sensação de que a qualquer momento iria torar meu pau. Quando senti meu saco encostar em sua bunda, parei uns minutos, retirei minha boca da sua e comecei a sugar seus peitinho. Luiza começou a suspirar forte e mais uma vez gozou contraindo os músculos da xaninha. Comecei a fazer movimentos lentos, tirando e botando o pau em sua buceta. Luiza dizia: como é bom, como é gostoso, se soubesse que seria assim já teria fodido com você a mais tempo, me come, me come como você comeu a Sofia. Escutando aquelas palavras, comecei a fode-la com mais força e rapidez, e quando estava para gozar, tirei o pau de sua buceta vendo o sangue de seu cabaço sair, e, puxando sua cabeça disse: agora fofinha você vai engolir o meu leitinho todinho e pus minha pica em sua boquinha, gozando uma quantidade enorme e ela engolindo o que dava, por fim retirei de sua boca e dei as últimas ejaculadas em seus peitinhos. Cansada, Luiza deixou-se cair na cama. Neste momento, Sofia saiu de dentro do armário e sorrindo, aproximou-se de Luiza e lambeu toda a porra que tinha em seus seios, indo acabar beijando a garota e sugando a porra da boca de Luiza. Depois deitou-se na cama e abriu as pernas dizendo: papaizinho se acha que já terminou está redondamente enganado, vem me chupa gostoso, me faz gozar que eu estou muito tesuda. Como faço tudo que minha filhinha quer, passei a chupá-la. Meti um dedo em sua xaninha molhada e depois enfiei em seu cuzinho, tirando e botando, até que ela gozou. A esta altura meu pau já estava duro de novo e Sofia vendo-o assim, chamou Luiza para perto e começou a chupá-lo juntas. Quando o meu pau já estava todo melecado, disse: agora Luiza fica de quatro assim como eu. Luiza sem entender direito obedeceu. Eu já sabendo o que Sofia queria, fui para trás das duas e me posicionei para comer o cú de Sofia. Enfiei com tudo e iniciei um vai-e-vem alucinado, olhando para o furinho de Luiza. Sofia com as estocadas fortes e a siririca em sua buceta, gozou e arriou na cama. Peguei o pau já lubrificado, e coloquei minha tora na entrada de Luiza, segurei-a pela cintura e a vontade era tanta, que não me segurei e enfiei com tudo em seu rabinho. Luiza gritou e pediu para eu tirar. Não dei ouvidos e fui enfiando cada vez mais e vendo o seu cú ser arrombado. Luiza chorava e gemia ao mesmo tempo. Sofia começou a fazer siririca nela e ela começou a relaxar. Comecei a me movimentar com mais rapidez naquele cú apertadíssimo, vez ou outra as estocadas eram tão fortes que literalmente levantavam Luiza da cama. Sofia dizia: fode papai come o cú dessa putinha, arrebenta com as pregas dela, enche essa bunda de gala que ela esta gostando. Não aguentando mais, gozei dentro de Luiza, como jamais tinha gozado em uma mulher. Tirei o pau e pude ver o buraco que aos poucos foi se fechando. Perguntei: Luiza estava tudo bem, você gostou? Sim, gostei agora posso dizer que sou uma mulher, mas deixa só me recuperar que eu quero mais. Sorri para Sofia e me lembrei de Lídia, e em meus pensamentos, me imaginei comendo as três logo, logo.

PERDENDO A VIRGINDADE DE FORMA HUMILHANTE

Lucas

Eu sou lucas, tenho 18 anos anos e vou contar como perdi a minha virgindade no final do ano passado. Havia terminado o terceiro ano do ensino médio, particularmente eu era um aluno excluído que sofria muito bullying e era perseguido, o fim da escola para mim significava a saída do inferno. Tinha terminado a escola e estava no período de férias, mas tinha uma festa de despedida na casa de campo de um dos alunos, eu não pretendia ir mas a garota mais linda da sala me chamou e eu gostava dela, então aceitei. Afinal eu era um loser, fracassado e indefeso, mas era um cara bonito, magro, de olhos verdes e cabelo curto, talvez eu teria alguma chance com ela. A festa começaria a tarde e iria até o dia amanhecer, notei apenas duas mulheres que não eram da turma e não lembrava delas na escola, aparentavam ter uns 20 e poucos anos. Quando era umas 16h horas, um cara que sempre me sacaneou e infernizou na escola, chamado Douglas, chegou com o grupinho de amigos e me levou para o meio de todo mundo, eles pediram para eu dobrar meus braços e colocar dentro da manga da camisa. Eu não quis mas eles começaram a prender meu braço na manga da camisa a força, e quando conseguiram me colocaram em pé no meio de uma mesa de centro. Foi tudo muito rápido, Douglas chamou todo mundo e disse que eu tinha algo para mostrar, então ele desceu a minha calça junto com a cueca na frente de todo mundo.

Eu fiquei sem reação, só senti as minhas roupas descendo pelas minhas pernas e quando olhei para baixo vi os meus bagos, foi um segundo de silêncio até o mundo explodir em gargalhada e gritos. Olhei para todos os lados e via as garotas que estudaram comigo rindo até não se aguentarem, celulares apontados pra mim e o olhar de deboche de todo mundo. Cabe aqui uma descrição dos meus genitais, eu tenho pênis grande, grosso e cabeçudo, é daqueles que mesmo mole são grandes e cresce pouco quando endurece (ereto mede 18cm) e o meu saco é grande, murcho e pendurado, isso explica o uau de algumas na hora que viram. Mas ter bons genitais não me livrou da vergonha de mostrar eles para a minha turma de escola, foi vergonhoso, constrangedor e humilhante. Antes de ir eu havia depilado completamente toda a região íntima, como costumo fazer, mas senti falta dos pelos pubianos para me cobrir pelo menos um pouco. Com os braços presos, a única coisa que eu podia fazer é ficar parado mostrando, mas tudo piorou quando acabaram com a minha virilidade e masculinidade: me viraram de costas e abriram as nádegas da minha bunda para expor o meu cu. Me desceram de lá, tiraram a minha camisa e a calça e a cueca dos meus pés, eu não pensei usar a mão para tampar as minhas partes, eu fui brigar com o Douglas mas me seguraram: um segurou um braço, outro veio e segurou o outro braço, o mesmo as pernas, e então eu estava deitado no ar segurado por eles, e eles abriram as minhas pernas o máximo possível.

Depois do espetáculo da nudez, subiram comigo para um quarto e trancaram a porta, aquelas duas garotas desconhecidas estavam lá, uma loira e uma morena. Douglas apenas disse que eu deveria agradecê-lo e mandou elas começarem, e então elas começaram a tirar a roupa, o meu pau involuntariamente começou a endurecer quando os peitos da morena ficaram de fora, quando elas terminaram meu pau estava duro como um mastro. As duas eram bonitas e muito gostosas, tinham peitões grandes, coxas grossas e bundas grandes, malhadas e empinadas, fora que eu não conseguia parar de olhar a buceta delas. Perdi a vergonha, me soltaram e eu fui nelas, passei a mão nelas todinhas e elas pegavam na minha piroca e no meu saco, a morena ficou de joelhos e pagou um boquete rápido enquanto eu chupava ou peitões da loira.

E eu era virgem, era a primeira vez que eu sentia uma boca sugando a minha rola, a língua dela passando… e ela revesava, ora lambia as minhas bolas e ora chupava o meu pau. Boquete é a melhor coisa que existe. Deitei na cama, e a loira sentou com a xerecona dela na minha boca, dava pra sentir o cheiro de buceta no meu nariz, chupei ela com tudo enquanto a morena me punhetava de uma forma muito melhor do que eu mesmo e lambia a cabeça da minha piroca. Bem, um cara virgem experimentando tudo isso de uma vez e sem esperar não deu outra, soltei um jato de porra e continuei gozando, até hoje sonho com aquela gozada. Foi tanta porra que saiu que os caras ficaram impressionados, sujei a cara da gostosa morena. Ai foi aquela sensação boa de alívio enquanto o pau amolecia, e por outro lado ouvi zoações por ter gozado sem meter, mas uma coisa eles deixaram bem claro pra mim: elas eram putas pagas e aquilo tudo foi para eu transar, e eu só teria minhas roupas de volta e só poderia ir embora depois de meter nelas e gozar dentro. Eles filmaram tudo e colocaram na TV para todo mundo ver.

Só que agora eu estava diferente, fui para onde estava todo mundo, peladão e todo a vontade, como se estivesse sozinho em casa. O buraco da cabeça da rola ainda estava pingando sêmen, ouvi algumas zoações mas estava tudo bem, como eles já tinham visto tudo não tinha mais a gritaria e gargalhadas, apenas risinhos de vez em quando, fiz até um pirocoptero para as mulheres. Duas horas depois eu resolvi que iria transar com as putas, mas não no quarto e de portas fechadas, mas no meio sala e na frente de todo mundo. Elas tiraram a roupa e eu pedi a loira para me masturbar enquanto dava dedadas na xana dela e chupava a buceta da morena, e quando ficamos devidamente excitados partimos para o sexo. Agora todo mundo olhava surpreso e curioso, pareciam estar excitados com a cena, a sala estava em silêncio. Deixei a morena na posição frango assado, com as pernas abertas e coloquei a cabeça do pau. Fui entrando devagarzinho e sentindo aquela vagina quentinha engolindo a minha rola, que sensação deliciosa… enquanto metia nela eu chupava a rachada da loira que estava em pé quase sentada na minha boca. Comecei metendo bem devagar e demorou um pouco para a puta começar a gemer baixinho, então a velocidade foi aumentando, até que quando terminei de comer ela eu estava na potência total, cavalgando nela. Mas eu não gozei, ainda tinha para loira também. Sentei e coloquei ela no meu colo e fiz ela quicar, com ela eu já comecei um pouco acelerado, e minha boca grudou no mamilo dela enquanto isso, mamei naquelas tetas grandes com vontade. Então coloquei ela de quatro e continuei castigando o bucetão dela, metendo com força, e de curiosidade abri a bunda dela pra ver o cuzinho rosa dela. Como eu já tinha gozado e muito antes, demorei para gozar dessa vez, levando em consideração as duas eu fiquei uns quarenta minutos só metendo, mas enfim eu podia sentir os jatos de porra saindo, e gozei dentro mesmo, como haviam pedido.

Depois do sexo me entregaram a roupa mas não fazia diferença nenhuma, nem pra mim nem pra ninguém ali, então fiquei sentado desfrutando do relaxamento pós-sexo antes de me vestir. Depois dessa foda eu havia conquistado respeito onde não havia mais dignidade nenhuma, muitos caras me deram os parabéns e eu não sabia se partia pra dentro do Douglas e da turma dele ou agradecia. Acabei não fazendo nada, fui dormir para ir embora no dia seguinte de manha, ainda ganhei um boquete de despedida.

FELIZ ANIVERSÁRIO INESQUECÍVEL PARA MINHA ESPOSA.

Ksal menage

Estou de volta para contar a vocês uma surpresa que fiz para a Cintia no dia de seu aniversário, no ano passado (março de O aniversário da Cintia caiu numa quarta-feira. Nesse dia ela saiu mais cedo da empresa, eu cumpri o horário normal. Naquela manhã pedi para ela se arrumar que iriamos jantar para comemorar seu aniversário.

Cheguei em casa por volta das 19:30, ela estava “quase pronta”, dei aquela apressada básica (se não o jantar ia virar café da manhã). Terminei meu banho e comecei a me arrumar (Camisa, cueca, calça e sapato, em média 20 min.). Enfim, ela estava pronta, estava linda como sempre, tinha comprado um vestido novo, muito bonito (sem saber de nada, acabou acertando no modelito). Seguimos para uma cantina que ela adora, no bairro do Bexiga. Como sempre, comida maravilhosa.

Saímos da cantina por volta das 23:00. Quando entramos no carro, disse para ela: – Tenho uma surpresa para você, espero que goste. Ela riu e respondeu: – Vindo de você, meu amor, só pode ser coisa boa.

– Liguei para o Marcio (um rapaz que conhecemos no Club swing que frequentamos, stripper, muito gente boa) – Disse para ela.

– Sério?! Quer dizer que depois de um jantar desse, ainda vou ganhar duas pirocas?! O que mais eu quero da vida?! Você é maravilhoso! – Disse ela com os olhinhos brilhando.

Segui para o apartamento do Marcio, que fica perto de onde estávamos (para quem conhece Sampa, do Bexiga para a Consolação – praça Roosevelt – é um pulinho). Estacionei o carro num estacionamento em frente ao prédio e seguimos para portaria. Quando disse meu nome ao porteiro, já fui autorizado a subir. A porta do apartamento estava aberta, Marcio nos esperava à porta.

– Olha ela ai!! Parabéns!! Linda como sempre!! Linda e gostosa!!

Virando para mim disse ele: – E você meu querido, como está?! Niver da princesa!! Eu que tenho sorte, ela faz aniversário e quem ganha o presente sou eu. Estar com vocês é sempre muito prazeroso! Entra, vocês já conhecem a casa.

Marcio vestia um roupão preto, podíamos sentir o perfume do sabonete, seus cabelos curtos estavam molhados ainda.

– Vocês querem beber alguma coisa? Perguntou para nós. Recusamos.

Cintia não perdeu um minuto se quer: – Eu quero!

O que você quer princesa? Perguntou Marcio.

– Quero o meu presente! Essa rola deliciosa que está escondida ainda! – Disse ela, esticando os braços em direção a rola do Marcio.

Ele se aproximou dela, que estava sentada no sofá. Ela abriu a parte de baixo do roupão, que estava amarrado na cintura, deixando o cacete dele à amostra.

– Olha só que delicia de rola! – Disse ela, segurando o cacete e levando-o em direção a sua boquinha.

A rola do Marcio ainda estava mole, ela colocou a rola inteira na boca, mamando o cacete inteiro. Em poucos segundos a rola dele já não cabia mais na boquinha dela. Ela mamava com vontade, sugava como um filhotinho esfomeado. Chupava e batia punheta com a rola em sua boca. Tirava a rola da boca e apertava, fazendo minar o leite na ponta, lambia e engolia novamente. Soltou a rola e segurou ele pela bunda, mamava a rola segurando-a apenas com a boca (o que modéstia à parte, ela faz maravilhosamente bem).

– Princesa, a surpresa não ainda não acabou. – Disse ele, segurando-a pelas mãos e fazendo ela se levantar. Segurando a Cintia pelas mãos e, andando de costas, foi em direção ao quarto. Abriu a porta, o quarto estava escuro. – Feche os olhos. Disse ele. Ela não questionou, fez o que ele pediu. Entramos no quarto e ele fechou a porta. – Calma. Não abre ainda. Espera. – Disse ele.

De repente ela ouve: – parabéns pra você… Ela abriu os olhos e se deparou com mais 3 amigos nossos (todos strippers da casa e que já rolamos brincadeira) Marcos, Renato e Alex.

– Não acredito!! Vocês estão aqui também!! – Disse ela sorrindo feito criança que ganha seu primeiro cãozinho. Veio em minha direção, abraçou-me e beijou-me (eu sei que alguns vão dizer: – Vixe… chupou rola por tabela foda-se, faz parte da putaria).

– Amor você é incrível. Você me surpreende quando penso que não tem como me surpreender mais. – Disse ela, ainda agarrada ao meu pescoço.

– Princesa, vai brincar com seus presentes, vai. Aproveita. – Disse a ela, dando-lhe um beijo bem molhado.

Todos estavam pelados e de rola dura. Ela tinha 4 rolas para se divertir e dar conta. Eu jogaria de libero, dando suporte para aquele que precisasse sair por tempo técnico.

Cintia se colocou de cócoras, os rapazes fizeram um círculo ao redor dela. Ela mamava todos, revezando rola por rola. Rindo e se divertindo. O papo corria solto junto com gargalhadas. Alex era o mais moreno.

– Cintia; não vai morder minha rola! – Disse Marcos.

– Se ela morder e cortar, a gente corta um pedaço da rola do Alex e emenda. – Disse Marcio. (Alex era o pau maior da turma.

– Vai ficar lindo. Rajadinho! – Respondeu Renato.

As brincadeiras corriam solta entre eles e ela. Muita liberdade mesmo. Cintia dava uma mordidinha aqui e ali.

Alex deitou no chão e se encaixou embaixo dela e começou a chupar a buceta dela. Ela ainda estava de roupa. Seu vestidinho estava levantado até a altura da cintura, sua calcinha tinha sido posta de lado. Marcio curvou-se e puxou o vestidinho para cima. Marcos desabotoou seu sutiã e deixou que caísse ao chão. Ela chupava firme e forte, os 3 cacete a sua volta. Alex chupava sua buceta, suas mãos alcançaram seus peitinhos e os massageavam. Marcio puxou Cintia, colocando-a em pé. Alex aproveitou e segurou sua calcinha, descendo-a até seus pezinhos. Cintia, agora, estava só com seu sapato de salto, estava linda, salto alto e completamente nua, sua bunda esteva empinada, sua cintura ficava mais fina ainda.

Marcio foi em direção ao colchão (não tinha cama, o colchão estava no chão), esticou o braço e apanhou uma camisinha e vestiu a rola. Delicadamente trouxe a Cintia para cima do colchão e manobrou seu corpinho, deixando ela de 4. Os rapazes se ajoelharam a sua frente (um ao lado do outro). Marcio a penetrou.

– Puta que pariu! Que rola gostosa! – Disse ela quando Marcio empurrou a rola em sua buceta.

Marcio começou no vai vem. Seu corpinho acompanhava os movimentos dele. Os outros rapazes mantinham as rolas para ela mamar. Marcos deitou de atravessado no colchão e começou a mamar nos peitinhos dela. Sua mão foi até sua bucetinha e a brincar com o clitóris. Cintia gemia abafado com uma rola na boca. Marcio metia gostoso na buceta da minha esposinha.

– Caralho Cintia, como você deixa meter gostoso na sua buceta! – Dizia Marcio enquanto fodia a Cintia. Renato se levantou e sentou-se ao meu lado, num sofá que ficava num canto.

– Cara; é muito gostosa! Puta que pariu! Olha que linda! É uma delícia ver ela metendo! Ela mete muito gostoso! – Disse ele. Continuou – Entendo você aqui, só admirando, ela é maravilhosa! Olha só essa cinturinha! Que bunda linda! Parece um violão! – Renato estava extasiado vendo aquele corpinho sendo possuído pelos amigos.

Marcio, segurou-a pela cinturinha e enfiou toda a rola em sua bucetinha. Seus joelhinhos saíram do colchão, Marcio puxou Cintia com força para trás e explodiu dentro dela.

– caralho!!!! que delicia de buceta!!! – Dizia ele enquanto sua porra jorrava de seu mastro.

Marcio se levantou e veio em direção ao banheiro, tirando a camisinha do cacete, ao passar por mim, disse – Caralho! Gostosa para cacete! Puta que pariu!

Marcos saiu debaixo dela e pegou uma camisinha, vestiu a rola e deitou de barriga para cima, trazendo ela para encavalar-se nele. Ela foi sem titubear. Marcos alinhou a rola na entrada da buceta da Cintia, ela soltou o corpo e fez com que o cacete a penetrasse.

Minha esposinha safada, estava muito vagabunda, seus quadris se moviam para frente e para trás, subia e descia, alternadamente. Alex foi até eles, afastou as nádegas dela e deu vários beijos grego nela. A língua dele movimentava-se em círculos no buraquinho dela. Ele colocou camisinha e ajoelhou até dela, roçando a rola no cuzinho dela. Ela levou a mão para trás e barrou o rapaz. Virou-se para ele e disse: – Você não dá para entrar aí não, vontade não falta, mas, sua rola é muito grossa, só na buceta. Ele riu e entendeu perfeitamente, voltando a beijar o cuzinho dela.

Marcos acompanhava os movimentos do corpinho dela, metendo firme da buceta da Cintia.

– Eu vou gozar, Cintia! – Marcos jorrou na buceta dela. Ela sentou com vontade, engolindo a rola dele por inteira com a buceta. Marcos se levantou e seguiu em direção ao banheiro (Marcio estava sentado ao meu lado, no braço do sofá, assistindo a performance.

Chegara a vez de Alex, que virou a Cintia de barriguinha para cima, dobrou seus joelhinhos e apoiou – os nos ombros, arrumou a rola na buceta dela e soltou seu quadril.

– Caralho Alex! Que rola grossa! Encheu minha buceta de rola! – Disse ela abraçando-o pelo pescoço.

Levantei e fui até eles. Renato também veio comigo. Deitamos ao lado dela, eu do lado esquerdo, ele do lado direito. Enquanto Alex fodia sua bucetinha, nós revezávamos sua boquinha e peitinhos. Deslizávamos a mão pela pele macia de suas pernas. Fui até seu clitóris e comecei a acaricia-lo, podia sentir a rola do Alex entrando e saindo de dentro de sua buceta. Alex fodia, enfiando o tarugo inteiro dentro dela. Ela gemia gostoso, dentro da minha boca ou, dentro da boca do Renato. Suas mãozinhas brincavam com a rola de Renato e a minha.

– Quer porra!? Quer?! – Perguntou Alex.

– Goza! Goza dentro de mim! Goza! – Respondeu ela.

Alex empurrou a rola pra dentro dela e jorrou. O ritual era o mesmo; terminou, cai fora e abre a vaga

Cochichei no ouvido dela. Ela concordou.

Levantei e apanhei uma camisinha e vesti o cacete. Deitei de costas no colchão e puxei ela para cima de mim. Ela segurou minha rola na entrada da buceta e a engoliu, sua buceta estava quente e molhada. Começamos a foder. Renato beijava suas costas e passava mão pelo corpinho dela. Segurei a bunda dela e afastei suas nádegas.

Renato, já com o cacete encamisado, veio rapidinho para trás dela, curvou-se e beijou seu cuzinho lindo. Ouvi a voz de Alex ressoar pelo quarto: – Preciso afinar minha rola, só eu que não como cu nas surubas. Ninguém aguentou, até a gente que estava fodendo paramos para dar risadas. Mas, não perdemos o foco, o meu era comer a buceta da Cintia, Renato focava em comer o cuzinho dela, ela, bem, ela focava em se preparar para levar outra rola, dessa vez no cuzinho.

Alguém se movimentou no quarto (depois entendi o que aconteceu). Senti a rola do Renato entrando lentamente no cuzinho da Cintia. Sua rola entrando deixava a buceta dela mais apertada. Estava difícil para ele penetrá-la atrás, facilitei a vida dele. Tirei meu pau da buceta, deixando o cuzinho mais livre, ela gemia e puxava o ar por entre os dentes. Seus quadris se movimentavam num rebolado circular, lento e contínuo.

– Pronto, entrou, mete na minha buceta! – Pediu ela. Voltei a penetrar sua bucetinha.

Renato era um cara experiente com casais, as rolas entravam e saiam com movimentos sincronizados (quando uma entra, a outra tem que sair). Enquanto mentíamos nela, seus quadris continuavam a se movimentar, facilitando o movimento das rolas dentro dela, principalmente a rola do Renato, que estava em seu cuzinho.

– Puta que pariu! Que delícia! Tô recheada de rola! Que porra é isso!? Eu vou gozar! Vou gozar! – Disse ela, gemendo deliciosamente.

Não tivemos dúvidas, metemos fundo, Renato com maior delicadeza. Gozamos os três juntos.

As rolas latejavam dentro dela, sua bucetinha apertava minha rola em espasmos, Renato dizia a ela: – Isso! Pisca esse cuzinho delicioso com meu pau dentro! Caralho! Puta que pariu! Que putaria gostosa da porra!

Renato terminou de gozar, tirou delicadamente o pau de dentro do cuzinho da Cintia e, cumpriu o ritual, seguiu para o banheiro. Ela tombou de lado, eu não sabia o motivo, mas, cumpri o ritual, fui para o banheiro. Ela foi a última a se levantar. Marcio perguntou a ela: – Você quer tomar um banho, princesa. Ela respondeu que não, iria só se limpar (depois que acabamos nas brincadeiras, não ficamos por muito tempo, é o tempo de se limpar e seguir nosso caminho).

Ficamos no quarto esperando ela voltar. Ah! Sim! O ritual! Perguntei ao Marcio: – Por que depois todos vão ao banheiro?

– Cara, esse é o meu colchão, se alguém ficar de pau mole e cair porra nele, eu tô fudido. – Respondeu ele. (Está explicado o ritual?).

Cintia Voltou vestida e pronta para irmos embora. Deu beijos em todos.

– Meninos! Vocês são maravilhosos. Principalmente o meu marido, que me proporcionou uma comemoração maravilhosa.

Seguimos para casa. A quinta feira foi difícil, mas, estávamos lá, firme e forte atendendo nossos clientes com toda dedicação e profissionalismo.

Sim, como isso tudo aconteceu. Ela tinha comentado comigo que tinha fantasia de participar de um gang bang.

PROPOSTA INDECENTE

João

Não sou experiênte em contos, vou contar um fato real, talvez você goste. Me chamo João, moreno alto sou casado 7 anos, sem filhos, minha mulher tem uma irmã mais velha, Marta branca alta cabelos longos e preto, bonita de corpo e rosto, falsa magra, casada com Erick branco baixo, eles teem dois filhos, um casal.

Tinha uma dúvida que estava cobrando a um tempão ao meu cunhado Erick, e ele sempre me dava desculpas, que iria acertar a dívida, que estava apertado pois bateu o carro e estava com prejuízos, combinava sempre uma data e chegava na hora nada.

Então eu chateado pois meu nome já estava sujo por causa dele, fui conversar com sua mulher, minha cunhada Marta sobre o assunto, na boa, ela trabalhava em um escritório e ganhava até mais do que ele.

Ela ficou surpresa pois não sabia que ele não tinha pago:

– Nossa João o Erick ainda não te pagou aquela dívida?!

– Eu: Não Marta, chato isso por que sujou meu nome.

– Ela: Vou dar um jeito, pode deixar…

– Respondi, tá bom.

Passado um tempo, de novo recebo várias ligações de cobrança. Novamente fui falar com minha cunhada, pois já tinha cobrado muitas vezes o meu cunhado, sem sucesso.

– Marta ainda não conseguiram quitar a dívida né?

– Ela: Aí João desculpa, não conseguimos mesmo, sabe o que é, estamos com umas dúvidas atrasadas também por isso deixamos de pagar o acordo, de novo, mas eu vou resolver, mil disculpas estou muito envergonhada!

– Eu: Entendi, então vou ver se eu pago, pois preciso do nome limpo para financiar minha obra e terminar minha casa.

– Ela: Aí cunhado desculpa mesmo!, se eu pudesse te ajudar em alguma coisa. Eu respondi, por instinto mesmo, vendo minha cunhada na minha frente, com uma carinha de manho e com um shortinho curtindo desse de casa.

– Respondi: Vou fazer uma proposta indecente pra você rss.

– Ela: Está louco menino, olha só!

– Eu: Calma cunhada brincadeira, brincadeira.

– Minha cunhada: hum, sei. Respondeu meio desconfiada.

– Respondi: Mas se quiser conversar sobre o assunto pode me chamar no telefone, fica somente entre nós esse assunto.

Pensei pronto, agora levo um tapa na cara, ou ela vai contar tudo para minha mulher, não passava nem agulha!, mas por incrível que pareça foi diferente, ela respondeu:

– João você é muito safado, mas eu não tenho coragem de fazer nada disso, vai embora vai, Erick vai chegar com as crianças.

Fiquei bem aliviado, fui embora.

Passou uns 1 mês e meio mais ou menos, um belo dia minha cunhada me manda mensagem:

– você está em casa João?, Eu respondi – – sim.

Eu trabalho a noite por isso fico o dia inteiro em casa.

Ela mandou outra: – – Vou passar ai com a Elaine, pegar um pote. Elaine é minha sobrinha, 11 anos, a cara dela.

– Eu respondi, tudo bem, deixa só eu tomar um banho, já te ligo.

– Ela: Ok.

Tomei um banho, coloco um samba canção somente, sem camisa, costumo ficar assim mesmo de boa em casa, e atendo elas.

Minha cunhada estava com cabelo rabo de cavalo, fica mol gata assim, e usava uma calça legging colada de matar, ela tem um corpão gostoso, sem muita perfeição pois tem filhos, mas que bunda ela tem!, toda empinada. Minha sobrinha usava sainha.

– Oi João, vim pegar um tapewere aqui que ficou com minha irmã.

– Minha sobrinha: Oi tio! Meu deu beijo no rosto, posso usar o banheiro?

– Eu: Pode, tá bom Marta, acho que é este aqui.

– Minha cunhada: Nossa, tem roupa não?! Dando uma risadinha.

– Eu: mol calor cara.

Isso era umas 15:00h

Senti ela olhando para o lado e para o outro e vendo onde minha sobrinha estava, e falou baixinho:

– Lembra aquele assunto?

– Eu: Qual?! Pois fazia um tempo.

– Ela: Aquela proposta, era sério?! Falando baixo.

Eu: – sim.

Marta: – Eu quero, mas com uma condição, fica em segredo total entre a gente! Nunca fiz isso antes.

– Eu tremi um pouco na hora, segurei na mesa, pensei: caraca vou comer minha cunhada gostosa!! Logo respondi sério, – Tá bom, claro, fica só entre a gente, sigilo total, falando baixo.

Ela olhando nos meus olhos disse:

– Tá bom, depois te mando mensagem, estou com a Elaine hoje, amanhã estou livre a tarde, a gente conversa tá. E saiu batendo o cabelo e rebolando um pouco. Oooo cunhada gostosa.

No outro dia… Minha cunhada me mandou uma mensagem: Oi cunhado, tudo bem? Eu: Tudo.

Ela: Aquele acordo ainda está de pé?

Eu: Sim, claro, com uma condição!

Ela: Condição? Que condição menino?!

Eu: Gostaria que vinhece aquí em casa, com cabelo amarrado tipo rabo de cavalo que você usa, de saia solta, curta e sem nada por baixo e, de salto alto, tudo bem?

Ela: Humm, tudo, deixa eu ver…

Ela: Eu tenho uma saia assim João de quando eu ia para igreja, mas está curta em mim, se eu abaixar um pouco da para ver quase tudo!

Eu: Não tem problema, é essa mesmo!

Ela: Olha que safado! Tá bom, vou colocar, daqui a pouco estou aí… morávamos próximo.

Eu estava ansioso esperando ela, já fazia meia hora e nada da minha cunhada, quando campainha toca…

E abro a porta…

– Oi João, tudo bem? Assim está bom?

E vejo a visão do paraíso, aquela mulher deliciosa na minha frente, cabelos preto cumprido amarrado, blusinha preta com decotão, sainha curta tecido fino meio vermelha meio florida, sandália salto alto.

Eu: Dá uma volta pra eu ver…

Ela virou… e desvirou rápido, segurando a sainha na parte das pernas, mostrando aquele volume de bunda, marcando todo o bumbum, estava sem calcinha mesmo, que visão…

Fechei a porta e não aguentei, fui logo agarrando ela tascando lhe o maior beijão de língua, empurrando ela contra a pia, apertando os seios gostoso dela, ela: – Calma, clama cunhado,vai rasgar minha roupa! Eu: Deuculpa, é que você me deixa doido, depois apertei gostoso aquela bundona dela sem calcinha e continuei a beijando e chupando os seios dela.

Ela:-Ai cunhado, ai.

Eu afastei um pouco e disse a ela, agora me chupa!

Ela ficou olhando pra mim, depois ajoelhou na cozinha e disse: Eu nunca coloquei a boca em outro homem e pegou no meu pau.

Começou um boquete maravilhoso, que boquinha gostosa!, eu segurando o cabelo dela rabo de cavalo e ela me chupando bem lento, meio envergonhada.

Depois de um tempo falei pra ela: – Levanta agora, fica de costas, se apoia na pia e empina a bunda, vou te comer todinha agora! Ela ficou olhando pra mim, depois levantou, se apoiou na pia da cozinha e perguntou: – Assim?! Eu: -Isso!

Levantei aquela sainha fina, encoxei com quelas coxas e rabão branco gostoso, me encaixei e penetrei naquela boceta linda da minha cunhada e empurrei devagar, ela já gemeu: Aí João

Fui bombando e bombando atrás dela e olhando pra ela com aquela carinha de prazer e manha com olhinho fechado… Ela só gemia:

– Aí, aí, aí, aí cunhado

– Ai, aí, aí

– Eu falava no ouvido: Vou te fuder todinha bem gostoso cunhadinha.

Ela: Aí, aí, ai, me come cunhado, ai, ai, aí, aí, me come igual uma cadela, aí, aí cunhado, ai, aí.

Eu já estava louco de tesão: Vou te comer cachorra, você é minha fêmea, é minha mulher agora! e socava fundo cada vez mais.

Ela: – Aí, ai, sou, sou, ai, ai, aí cunhado, que pau duro, ai, aí, ai…vou gozar, aí, aí…

Eu: vou te encher todinha, vou gozar dentro de você!

Ela: -Ai, não, aí, aí, aí, aí.

Eu segurei ela pelos braços empinada pra mim com aquele bundão gostoso com marquinha leve de sol e soquei bem fundo rugindo igual a um urso: Toma cachorra, toma!!! E gozei muito dentro dela, bem gostoso, até o final…

Que mulher gostosa.

Ela deu um suspiro e se afastou um pouco subindo a saia.

Depois me disse: – Foi só dessa vez tá João, eu estava precisando.

Após isso nos olhamos, e nos beijamos.

Ela foi no banheiro, depois voltou e disse: -Se você contar para alguém eu te mato viu!

Eu disse: Fica só entre nós, dando um tapa naquela bunda gostosa.

Ela: Aí!! Safado.

E foia embora, dando só um discreto tchau com um sorrisinho e rebolando a bunda.

GANG BANG INESPERADA

Zé Carlos /SP

Estávamos eu e Tânia, minha esposa, em uma praia paradisíaca no sul da Bahia onde fomos passar o fim de semana. Ela é uma belíssima morena (mulherão, segundo seus outros admiradores), 32 anos, mas com corpo de 20, toda proporcional, seios fartos e firmes, bunda perfeita, pernas roliças, irradiando alegria e usava um minúsculo biquíni que realçava mais ainda sua beleza, e provocava torcicolos nos homens ao passar se rebolando toda. Caminhamos um bom pedaço até chegarmos a uma muralha de pedras que invadia o mar. Propus a ela que passássemos as pedras pois com certeza não haveria ninguém do outro lado e nós poderíamos ficar totalmente à vontade ( Exibicionista, ela adora ficar nua, com ou sem platéia). Proposta aceita escalamos as pedras e já do outro lado nos acomodamos e tiramos nossos trajes ficando como Adão e Eva no Paraíso. Como sou fotógrafo amador, não esquecera meu equipamento e comecei a fazer um ensaio que não ficaria devendo nada aos que saem na Ele Ela; minha gata estava deslumbrante e excitada com a aventura, e não demoramos a nos tocar de forma mais e mais ousada até que nos acoplamos, com meu pau inteiro dentro de sua xoxota quente até explodir em gozo. Relaxados, corremos para o mar onde nos lavamos, brincamos e, voltando, nos deitamos ao sol para dourar nossas peles. Dormimos ali mesmo e despertei com um barulho vindo das pedras: eram vozes e ruídos metálicos que não conseguia decifrar ; sem dar tempo para nada surgiram um após outro quatro rapazes atléticos, vestidos com trajes coloridos de ciclistas carregando suas bikes incrementadas. Ao se depararem com o espetáculo da nudez de minha mulher, que ainda dormia de bruços deixando à mostra seu lindo traseiro e de soslaio os pelinhos que cobrem sua vulva macia, não puderam esconder sua satisfação. Os rapazes, que estavam visivelmente cansados pela travessia das pedras, tinham mais um bom motivo para dar uma paradinha e descansar. E foi o que fizeram . Ali a menos de dez metros de onde estávamos os quatro começaram a tiras suas roupas coloridas ficando só de sunga. A estas alturas despertei minha mulher avisando que não estávamos mais sós, para ver se ela se cobria, pois eles deram sinais de que não sairiam dali tão cedo. Nossas roupas estavam em uma sacola nas pedras e para alcançá-las teríamos que passar ao lado deles. Tânia então virou-se e, erguendo os joelhos expôs-se toda para os nossos espectadores; seu sexo úmido era um convite ao pecado e seus seios com os mamilos durinhos traduziam o que se passava no seu interior. De repente ela se levantou e disse com a maior tranqüilidade: “Vou dar um mergulho, você vem ?” ao que respondi desconcertado: “Não, vou tomar conta das nossas coisas”. E lá se foi ela rebolando, nuazinha, sorrindo ao passar no meio dos quatro garanhões que a estas alturas já estavam com as tendas armadas, mas ainda não se animaram a tomar nenhuma iniciativa. Voltando do mar Tânia, com a cara mais safada deste mundo, fez um cafuné no que estava mais próximo e disse “Não são umas gracinhas ?” e pegando uma toalha foi deitar-se um pouco afastada de onde eu estava, ficando de bruços e com as pernas entreabertas. Parece até que era uma senha combinada pois os quatro se levantaram e caminharam em sua direção já tirando as sungas deixando a mostra quatro poderosos cacetes totalmente eretos. Eu sem me dar conta do que fazia, corri para pegar a filmadora para um registro histórico: a primeira gang-bang ao vivo e com minha mulherzinha de protagonista. Tânia já estava envolvida pelas oito mãos e quatro bocas que a apalpavam e beijavam de maneira selvagem e indecente. Ela se esforçava para dar conta de todos, chupando ora uma ora outra pica e tendo todos seus buracos preenchidos, primeiro por dedos (muitos) e em seguida pelos quatro caralhos em uma sinfonia erótica, um balé pornográfico no qual eles se rodiziavam permanentemente, cada um entrando e saindo da boceta para a boca daí para o cú e de novo na boceta, sempre punhetando o que estava desocupado até que, um por um, todos gozaram copiosamente por cima dela que se esfoçou para sorver o máximo de porra lambendo cada pinto como se fosse o último. Deixaram-na prostrada na areia sorrindo lascivamente para mim, com a porra dos quatro escorrendo pelo rosto e pelo corpo e foram dar um mergulho! Eu não perdera um só lance filmando cada detalhe com closes incríveis, mas ainda não havia terminado! Os quatro atletas voltaram do mar e erguendo Tânia como um troféu e carregaram-na para o mar onde pude vê-la ser banhada pelas oito mãos e novamente penetrada no cú e na boceta sucessivamente por cada um deles, enquanto os outros três a seguravam com as pernas abertas para manter o equilíbrio nas ondas. Só depois de todos gozarem, desta vez dentro de seus orifícios arrombados, é que a trouxeram de volta, lânguida, quase desfalecida de tanto gozar. Com as pernas bambas que mal podiam andar, agradeceram a orgia, pegaram suas coisas, vestiram-se e, montando em suas bikes, seguiram seu caminho. Beijei minha mulher com carinho e tesão pois estava diante de uma verdadeira Fêmea e voltamos para casa com mais uma aventura para contar e um filme para revivê-la. Zé Carlos SP