DIRTY POEM

Do the People Developing Photos Look at Them? - VICE


Ferreira Gullar


cloudy cloudy
the cloudy
blow hand
against the wall
dark
less less
less than dark
less than soft and hard less than ditch and wall: less than hole
dark
more than dark:
clear
Like water? how feather? clear more than clear clear: nothing
and it all
(or almost)
an animal that the universe manufactures and has been dreaming from the bowels
blue
it was the cat
blue
was the cock
blue
the horse
blue
your ass
your gums just like your little pussy that seemed to smile between the leaves of
banana between the scents of flower and open pork dung as
a mouth of the body (not like your mouth of words) as a
entrance to
I didn’t know you
do not know
turn life around
with its heap of stars and ocean
entering us in you
beautiful beautiful
more than beautiful
but what was her name?
It wasn’t Helena or Vera
neither Nara nor Gabriela
neither Tereza nor Maria
His name his name was …
Lost in cold meat
lost in the confusion of so much night and so much day
got lost in the profusion of things that happened
alphabet constellations
chalk nights
birthday tablets
football sundays
Corsican burials rallies
roulette billiards playing cards
changed face and hair changed eyes and laughs moved house
and time: but is with me is
lost with me
your name
in some drawer.
Enviar feedback
Histórico
Salvas
Comunidade

POEMA SUJO

Do the People Developing Photos Look at Them? - VICE

Ferreira Gullar

turvo turvo
a turva
mão do sopro
contra o muro
escuro
menos menos
menos que escuro
menos que mole e duro menos que fosso e muro: menos que furo
escuro
mais que escuro:
claro
como água? como pluma? claro mais que claro claro: coisa alguma
e tudo
(ou quase)
um bicho que o universo fabrica e vem sonhando desde as entranhas
azul
era o gato
azul
era o galo
azul
o cavalo
azul
teu cu

tua gengiva igual a tua bocetinha que parecia sorrir entre as folhas de
banana entre os cheiros de flor e bosta de porco aberta como
uma boca do corpo (não como a tua boca de palavras) como uma
entrada para
eu não sabia tu
não sabias
fazer girar a vida
com seu montão de estrelas e oceano
entrando-nos em ti

bela bela
mais que bela
mas como era o nome dela?
Não era Helena nem Vera
nem Nara nem Gabriela
nem Tereza nem Maria
Seu nome seu nome era…
Perdeu-se na carne fria
perdeu na confusão de tanta noite e tanto dia
perdeu-se na profusão das coisas acontecidas
constelações de alfabeto
noites escritas a giz
pastilhas de aniversário
domingos de futebol
enterros corsos comícios
roleta bilhar baralho
mudou de cara e cabelos mudou de olhos e risos mudou de casa
e de tempo: mas está comigo está
perdido comigo
teu nome
em alguma gaveta.

DEPRAVITY

E os amantes? - A Doutora Do Amor


Liz Christine


Write poetry about poetry?
Your body is poetry
Your voice dominates me
So soft
You are raw material
Converts
in poetry
Your voice melts me
You are sweet melody
That warms me
Touch, skin, look
Just breathe
Your breath
turns me on
Because art is horny
Passion in writing
I want your penetration

Invaded
For creation
Fuck
For you, passion
I want, need and give myself
I love you and I no longer deny
Do not deny, omit
It’s not admitting …

Don’t you dare ask
I write because I am
Feeling
What to love
It’s strong, intense, beautiful
Your look
Undressing
Come seducing me
Come … and hug me
And catch me
With violence, love
I’m wanton
My hand slips

And I’m already hugging you
Your fingers slide
Taunting
Pleasure … chills … wishes
That materialize
And I’m already holding
The passion realized
Aren’t you scaring anymore?
Love … keep depraving me

Depraving is changing
And I’m giving myself
Love you
It’s not hurting me

You were right…
Love is pleasure and fun
With content
And horny
Deep
Love is everything
Enviar feedback
Histórico
Salvas
Comunidade

DEPRAVAÇÃO

E os amantes? - A Doutora Do Amor

Liz Christine

Escrever poesia sobre poesia?
Seu corpo é poesia
Sua voz me domina
Tão macia
Você é matéria-prima
Se converte
em poesia
Sua voz me derrete
Você é doce melodia
Que me aquece
Toque, pele, olhar
Basta respirar
Sua respiração
me excita
Porque arte é tesão
Paixão na escrita
Quero sua penetração

Invadida
Pela criação
Fudida
Por você, paixão
Eu quero, preciso e me entrego
Te amo e não mais nego
Não nego, omitir
Não é admitir…

Nem ouse perguntar
Escrevo por estar
Sentindo
Que amar
É forte, intenso, lindo
Seu olhar
Me despindo
Vem me seduzindo
Vem… e me abraça
E me pega
Com violência, amor
Sou devassa
Minha mão escorrega

E já estou te abraçando
Seus dedos deslizam
Provocando
Prazer… arrepios… desejos
Que se concretizam
E já estou segurando
A paixão concretizada
Não está mais assustando?
Amor… continue me depravando

Depravar é alterar
E estou me entregando
Te amar
Não está me machucando

Você tinha razão…
Amor é prazer e diversão
Com conteúdo
E tesão
Profundo
Amor é tudo

INSTINCT

Veja quais posições sexuais eles gostam de fazer com as amantes


Ronilson Rocha

Having her as my favorite female
that’s what my male instinct sends
reason finds this idea weird
but what matters is what I think …

mate with you in summer and spring
warm up with you in the cold winter
my desire for you awaits
love you even in hell

own you from behind or from the front
standing on the wall or lying in bed
what follies go through my mind
when I think of lighting your flame …