A chef rabuda

Victor

Ultimamente, tenho evitado ficar em casa nos finais de semana e procurando algum evento que me chame a atenção em São Paulo. A variedade de coisas que tem por aqui, pagas ou não é bem grande e escolho sempre algo que não tenha muito barulho ou seja bem agitado (Acho que estou ficando velho!). Descobri nos últimos tempos algo para me distrair e tenho usado como terapia: a culinária. Cozinhar tem me feito muito bem e tenho procurado melhorar e fazer coisas cada vez mais complexas e que precisam de mais atenção, dessa forma, consigo me desligar de alguns dos muitos problemas que tiram a minha energia!

Em uma procura na Internet, vi um evento de gastronomia que teria na região da Barra Funda que me chamou a atenção e o melhor…GRÁTIS! Teria a participação de alguns chefs que ensinariam algumas técnicas e mesmo me achando um cozinheiro razoável, decidi ir e talvez aprender alguma coisa nova. Marquei que tinha interesse no evento e depois de um tempo recebi uma mensagem privada no Facebook apenas com um “Oi”! A foto do perfil era familiar, de alguém que não via a muito tempo e pelo que me lembrava, a última vez que tinha visto, estava morando fora do País!

Estudei com ela no ensino médio e já tínhamos ficado algumas vezes, quem lê meus contos deve saber que nesse período eu era bem diferente do que sou hoje em vários aspectos. Respondi a mensagem e começamos uma conversa normal e despretensiosa que até eu mesmo estranhei, pois busco sempre levar para o lado da putaria e conseguir assim uma boa transa, entretanto, ficamos por horas falando e relembrando o período de colégio e as historias malucas da época! Em determinado momento, ela disse que tinha me chamado porque também ia ao evento e que tinha aberto um restaurante, então vendo que me interessei me chamou para não ir sozinha!

Nos encontramos na estação Barra Funda do Metro e só fui reconhecê-la quando chegou até mim e percebi o quanto o tempo faz bem para algumas pessoas… tinha virado uma mulher deliciosa, um pouco mais baixa que eu, com uma cintura fina e uma bunda bem empinada que estava em evidência por causa do vestido preto que usava ate o meio de suas coxas. Naquele momento mesmo, minha falta de interesse nela sumiu e já pensava de alguma forma em um jeito de apertar aquela delicia de bunda! Nos cumprimentamos com um forte abraço e um beijo no rosto, andamos juntos conversando pelo evento e assistimos o trabalho e dicas de alguns chefs. Naquela altura já não conseguia me concentrar mais no que era dito e ficava somente olhando para aquele delicioso rabo a minha frente, olhava como se quisesse devorá-la e certamente ela percebeu (Não consigo disfarçar isso… é horrível!). Paramos para comer alguma coisa depois do evento já no início da noite e o tom da conversa já era bem diferente, ainda mais depois de algumas cervejas:

– E esse olhar aí, heim? Tá pensando em quê? – Ela me disse com um sorriso sentada a minha frente!

– Que olhar?

– Esse aí, todo safado! Não lembro que você tinha!

– Algumas coisas mudam! E o jeito de olhar foi só uma das coisas!

– É mesmo? Me mostra… – Falou aproximando o rosto perto do meu, como em desafio!

Antes mesmo dela tirar o sorriso de provocação e afastar o rosto de perto de mim, segurei sua nuca e a beijei, mordendo e puxando seus lábios com os dentes! No começo, senti que aquilo foi uma surpresa, mas depois deixou-se levar pelo beijo e nem sei por quanto tempo ficamos daquele jeito. Saímos da lanchonete onde estávamos e praticamente parávamos em cada esquina escura e vazia ou nos postes para nos agarrar e a coisa estava cada vez mais quente! Batia e apertava sua bunda, descendo até a coxa e levantando na altura do meu quadril, meu pau roçava em sua buceta por trás daquele vestidinho curto e fino e a fazia suspirar e gemer de olhos fechados, erguia o pescoço para mim e eu o mordia, beijava e sussurrava em seu ouvido que estava louco pra mostrar tudo o que tinha!

Decidimos ir ao seu apartamento na região da República usando um táxi para chegar mais rápido, no banco de trás, continuávamos nos devorando e marcando nossos corpos com arranhões e apertões (O taxista deve ter adorado a cena!), entramos correndo para o prédio e enquanto ela tentava abrir a porta, eu a encoxava levantando seu vestido e deixava a exposta a minha frente aquele delicioso rabo que estava cobiçando o dia todo! Apertava e batia fazendo-a gemer e dar suspiros de tesão!

Entramos e já fomos arrancando as nossas roupas deixando uma trilha até seu quarto, deitei-a de bruços na cama abrindo suas pernas e agarrando firme suas coxas, cravando meus dedos abocanhei sua buceta chupei com vontade! Os gemidos eram por vezes abafados quando mordia o travesseiro e suas mãos agarravam o lençol. Rebolava e jogava sua bunda contra o meu rosto e eu ia cada vez mais fundo, subi a língua ate seu cuzinho e com os dedos passei a penetrar sua grutinha que escorria uma quantidade surpreendente de mel, abria e fechava dentro dela, girava, batia em sua buceta e não sei dizer ao certo quantas vezes senti aquele delicioso caldinho lambuzar minha mão!

Naquela mesma posição coloquei um travesseiro sob seu abdome, montei em suas coxas e pincelei meu pau na entrada de sua bucetinha, abri sua bunda com ambas as mãos e fui enfiando ele devagar enquanto massageava seu anelzinho! Ela colocava as mãos para trás apertando meus pulsos enquanto gemia com o rosto no colchão, a cada vez que apertava eu fodia mais forte para fazer gemer e gritar ainda mais alto. Meu polegar já entrava e saia com facilidade do seu cuzinho e ela o prendia e apertava dentro dele! Tirei de sua buceta já completamente lubrificado pelo seu mel e encaixei no seu rabinho:

– Vai devagar, faz tempo que não deixo brincar aí!

– Isso quer dizer que ele agora é meu? – Falei sorrindo safado e empurrando a cabeça para entrar de uma vez!

– Filho da puta! – Falou depois de um grito de dor e tesão!

Ela apertava meu pau em seu cuzinho conforme entrava, rebolando e gemendo, gritando, xingando e mal ela sabia que tudo isso é o que mais me enlouquece! Fui aumentando a velocidade e indo mais fundo quando sentia que estava ficando mais relaxada, agora só ouvia os seus gemidos e ela rebolava e apertava meu cacete ainda mais forte em seu rabinho, jogava seu corpo contra o meu e pedia para que a fodesse mais forte e assim o fiz. Sem tirar meu pau de dentro, me virei na cama e a fiz cavalgar. Ela segurava e cravava as unhas nas minhas coxas e sentava num ritmo louco deixando apenas a cabeça dentro de si e depois voltando a engolir ele inteiro! Estava enlouquecido com a cena e com seus gemidos cada vez mais alto e os movimentos de seus quadris mais rápidos e acabei gozando dentro dela! Ao sentir o primeiro jato de porra ela sentou de uma vez e o apertou dentro de si, fazendo uma pressão incrível que quase me fez perder os sentidos, se deitou colocando as costas no meu peito e aos poucos foi relaxando seu cuzinho e deixando meu pau escorregar pra fora junto com toda a porra que havia despejado dentro dela! Se virou montando em mim e me beijou devagar:

– Que mudança hein? Ainda tem mais pra me mostrar?

– Tenho mais umas coisinhas! – Respondi ofegante e exausto como poucas vezes costumo ficar.

Já estava tarde e infelizmente tinha que voltar para casa, nos despedimos e eu já estava dentro do metrô quando coloquei as mãos no bolso e senti algo diferente! Um cartão de visitas de um restaurante e no verso a caneta a mensagem:

“Te espero para um jantar especial, Vi! A próxima aula vai ser comigo!”

Bom… Acho que já tenho um próximo evento de gastronomia….

Victor

Ultimamente, tenho evitado ficar em casa nos finais de semana e procurando algum evento que me chame a atenção em São Paulo. A variedade de coisas que tem por aqui, pagas ou não é bem grande e escolho sempre algo que não tenha muito barulho ou seja bem agitado (Acho que estou ficando velho!). Descobri nos últimos tempos algo para me distrair e tenho usado como terapia: a culinária. Cozinhar tem me feito muito bem e tenho procurado melhorar e fazer coisas cada vez mais complexas e que precisam de mais atenção, dessa forma, consigo me desligar de alguns dos muitos problemas que tiram a minha energia!

Em uma procura na Internet, vi um evento de gastronomia que teria na região da Barra Funda que me chamou a atenção e o melhor…GRÁTIS! Teria a participação de alguns chefs que ensinariam algumas técnicas e mesmo me achando um cozinheiro razoável, decidi ir e talvez aprender alguma coisa nova. Marquei que tinha interesse no evento e depois de um tempo recebi uma mensagem privada no Facebook apenas com um “Oi”! A foto do perfil era familiar, de alguém que não via a muito tempo e pelo que me lembrava, a última vez que tinha visto, estava morando fora do País!

Estudei com ela no ensino médio e já tínhamos ficado algumas vezes, quem lê meus contos deve saber que nesse período eu era bem diferente do que sou hoje em vários aspectos. Respondi a mensagem e começamos uma conversa normal e despretensiosa que até eu mesmo estranhei, pois busco sempre levar para o lado da putaria e conseguir assim uma boa transa, entretanto, ficamos por horas falando e relembrando o período de colégio e as historias malucas da época! Em determinado momento, ela disse que tinha me chamado porque também ia ao evento e que tinha aberto um restaurante, então vendo que me interessei me chamou para não ir sozinha!

Nos encontramos na estação Barra Funda do Metro e só fui reconhecê-la quando chegou até mim e percebi o quanto o tempo faz bem para algumas pessoas… tinha virado uma mulher deliciosa, um pouco mais baixa que eu, com uma cintura fina e uma bunda bem empinada que estava em evidência por causa do vestido preto que usava ate o meio de suas coxas. Naquele momento mesmo, minha falta de interesse nela sumiu e já pensava de alguma forma em um jeito de apertar aquela delicia de bunda! Nos cumprimentamos com um forte abraço e um beijo no rosto, andamos juntos conversando pelo evento e assistimos o trabalho e dicas de alguns chefs. Naquela altura já não conseguia me concentrar mais no que era dito e ficava somente olhando para aquele delicioso rabo a minha frente, olhava como se quisesse devorá-la e certamente ela percebeu (Não consigo disfarçar isso… é horrível!). Paramos para comer alguma coisa depois do evento já no início da noite e o tom da conversa já era bem diferente, ainda mais depois de algumas cervejas:

– E esse olhar aí, heim? Tá pensando em quê? – Ela me disse com um sorriso sentada a minha frente!

– Que olhar?

– Esse aí, todo safado! Não lembro que você tinha!

– Algumas coisas mudam! E o jeito de olhar foi só uma das coisas!

– É mesmo? Me mostra… – Falou aproximando o rosto perto do meu, como em desafio!

Antes mesmo dela tirar o sorriso de provocação e afastar o rosto de perto de mim, segurei sua nuca e a beijei, mordendo e puxando seus lábios com os dentes! No começo, senti que aquilo foi uma surpresa, mas depois deixou-se levar pelo beijo e nem sei por quanto tempo ficamos daquele jeito. Saímos da lanchonete onde estávamos e praticamente parávamos em cada esquina escura e vazia ou nos postes para nos agarrar e a coisa estava cada vez mais quente! Batia e apertava sua bunda, descendo até a coxa e levantando na altura do meu quadril, meu pau roçava em sua buceta por trás daquele vestidinho curto e fino e a fazia suspirar e gemer de olhos fechados, erguia o pescoço para mim e eu o mordia, beijava e sussurrava em seu ouvido que estava louco pra mostrar tudo o que tinha!

Decidimos ir ao seu apartamento na região da República usando um táxi para chegar mais rápido, no banco de trás, continuávamos nos devorando e marcando nossos corpos com arranhões e apertões (O taxista deve ter adorado a cena!), entramos correndo para o prédio e enquanto ela tentava abrir a porta, eu a encoxava levantando seu vestido e deixava a exposta a minha frente aquele delicioso rabo que estava cobiçando o dia todo! Apertava e batia fazendo-a gemer e dar suspiros de tesão!

Entramos e já fomos arrancando as nossas roupas deixando uma trilha até seu quarto, deitei-a de bruços na cama abrindo suas pernas e agarrando firme suas coxas, cravando meus dedos abocanhei sua buceta chupei com vontade! Os gemidos eram por vezes abafados quando mordia o travesseiro e suas mãos agarravam o lençol. Rebolava e jogava sua bunda contra o meu rosto e eu ia cada vez mais fundo, subi a língua ate seu cuzinho e com os dedos passei a penetrar sua grutinha que escorria uma quantidade surpreendente de mel, abria e fechava dentro dela, girava, batia em sua buceta e não sei dizer ao certo quantas vezes senti aquele delicioso caldinho lambuzar minha mão!

Naquela mesma posição coloquei um travesseiro sob seu abdome, montei em suas coxas e pincelei meu pau na entrada de sua bucetinha, abri sua bunda com ambas as mãos e fui enfiando ele devagar enquanto massageava seu anelzinho! Ela colocava as mãos para trás apertando meus pulsos enquanto gemia com o rosto no colchão, a cada vez que apertava eu fodia mais forte para fazer gemer e gritar ainda mais alto. Meu polegar já entrava e saia com facilidade do seu cuzinho e ela o prendia e apertava dentro dele! Tirei de sua buceta já completamente lubrificado pelo seu mel e encaixei no seu rabinho:

– Vai devagar, faz tempo que não deixo brincar aí!

– Isso quer dizer que ele agora é meu? – Falei sorrindo safado e empurrando a cabeça para entrar de uma vez!

– Filho da puta! – Falou depois de um grito de dor e tesão!

Ela apertava meu pau em seu cuzinho conforme entrava, rebolando e gemendo, gritando, xingando e mal ela sabia que tudo isso é o que mais me enlouquece! Fui aumentando a velocidade e indo mais fundo quando sentia que estava ficando mais relaxada, agora só ouvia os seus gemidos e ela rebolava e apertava meu cacete ainda mais forte em seu rabinho, jogava seu corpo contra o meu e pedia para que a fodesse mais forte e assim o fiz. Sem tirar meu pau de dentro, me virei na cama e a fiz cavalgar. Ela segurava e cravava as unhas nas minhas coxas e sentava num ritmo louco deixando apenas a cabeça dentro de si e depois voltando a engolir ele inteiro! Estava enlouquecido com a cena e com seus gemidos cada vez mais alto e os movimentos de seus quadris mais rápidos e acabei gozando dentro dela! Ao sentir o primeiro jato de porra ela sentou de uma vez e o apertou dentro de si, fazendo uma pressão incrível que quase me fez perder os sentidos, se deitou colocando as costas no meu peito e aos poucos foi relaxando seu cuzinho e deixando meu pau escorregar pra fora junto com toda a porra que havia despejado dentro dela! Se virou montando em mim e me beijou devagar:

– Que mudança hein? Ainda tem mais pra me mostrar?

– Tenho mais umas coisinhas! – Respondi ofegante e exausto como poucas vezes costumo ficar.

Já estava tarde e infelizmente tinha que voltar para casa, nos despedimos e eu já estava dentro do metrô quando coloquei as mãos no bolso e senti algo diferente! Um cartão de visitas de um restaurante e no verso a caneta a mensagem:

“Te espero para um jantar especial, Vi! A próxima aula vai ser comigo!”

Bom… Acho que já tenho um próximo evento de gastronomia….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s