Incest

With eighteen years of marriage and with a son, Márcia began to go through a period of turbulence when her husband became unemployed. As they lived in a country town at that time, everything seemed to be much more difficult. Mario got a private driver’s license from the mayor of the city, but he earned very little when he was a production manager at a large shoe factory.
When things got more difficult, they had to move in the backyard of their father-in-law’s house. Mario has always been a good husband and a good father, but with so many problems he started coming home drunk on weekends. And it was just when he arrived drunk, that he thought about wanting to have sex. As it was a long time since they had sex, because they had no privacy, they took advantage of a day when their son was not at home and Mario managed to make Marcia have an orgasm before falling into a deep sleep.
On a Saturday, Mario arrived after eleven at night; drunk, and thought about having sex. Carlos, the son was lying in a corner of the room on a mat and looked like he was sleeping. Márcia tried to convince her husband to leave it for another day, but he even with a little brutality was tearing her shirt off. Not wanting to make too much noise so as not to wake his son, he left and by leaps and bounds Mario managed to leave him completely naked on the bed.
Wanting everything to end quickly, she pulled her husband on top of her and took his dick and placed it in the pussy door, leaving him only to push it inside. Mario moaning like an uncontrolled animal began to pump with strength and lust and when she looked at the corner of the room saw Carlos looking at his father fucking him. She even made several hand signals to him to go back to bed and perhaps cover himself with the sheet so as not to see that little shame that was happening, but it was in vain.
Usually when Mario finished coming, she pushed him and he lay on his side and started snoring in a few seconds. But that day she was unable to have an orgasm trying to prevent her son from seeing her naked, and it took her a long time to get her husband off her and he ended up sleeping on her body.
Very heavy, she was making an effort to push him when she noticed her son pulling her father and she
he started to worry about covering his pussy with both hands. Her son pulling her by the arm said:
– Come on mom … let me help you.
– No son, no need … I’m fine …
– But I want to help you … let me take you to the bathroom.
I will never understand what happened that night. She let herself be taken by her son and no longer bothered to hide her private parts. She stood there watching him open the shower, and when he let her in under the shower and started to bathe and especially to wash her pussy … He was always looking at her. When he finished he left the box and he took the towel and dried his body. Despite being 37 years old, Márcia had a beautiful body and a good taste. She was still a little scared, but deep down she was enjoying being treated with so much affection by her son that, seeming to have all the control of the situation, she was passing the towel all over her body: breasts, butt and even the pussy. With Mario snoring like a pig, without a hint of shame, she went to the closet to look for another pair of panties to put on and put on the nightgown, then she went to Carlos who sat looking at him, and gave him a kiss on the cheek.
– Thanks for everything son… I love you very much, okay?…
– I love you too, mom!…
Lying trying to sleep, she wondered what her son must have thought when she saw him naked like that. And she realized that she didn’t even bother to look to see if he was excited. After all that happened, she started to see her son in another way, who, two days later, taking a shower, stopped dressing in the bathroom as she normally did and went naked to get clean clothes from the closet. Carlos, who was lying on the couch watching TV, started to follow her with his eyes. She was about to put on her panties when she heard it.
– Our mother … You are very beautiful.
With her panties in her hand, she approached the couch and stood very close to him and said:
– Do you think I’m beautiful?
– Very beautiful…
She was feeling a strange pleasure, knowing that her son was looking at the middle of her legs. When she saw that he took a pillow and placed it on her groin, she sat right next to him and placing her hand on the pillow said:
– What are you trying to hide son?
– Nothing mom …
– Do you let mommy see?
– See what?…
– What’s under the pillow.
– Ah mom … You know, don’t you? …
– You have a hard-on, right?…
– Of course!…
She pulled the pillow and when she saw all that volume she said in amazement:
– Our son … What do you have there? …
– Uh… Don’t you know?…

He ran his hand over that volume, and seeing that he smiled tightened it on the fabric and felt that it must be very hard and he didn’t even shake when Carlos put his hand on her thigh and kept stroking it until he reached the pussy. It was hard to imagine, that happening between a mother and a child … But both she and he were enjoying doing that. She was opening her shorts while he was putting his finger in her pussy. When she managed to pull his cock out of his underwear, she was even a little stunned to see that her son had a much bigger dick than his father’s. He was super gifted, so he started to caress his hard dick and he punched his finger in her pussy.
– Wow … So mommy can’t take it.
– Me neither … How nice – and was surprised by what he said – Do you let me eat you, mom? …
– Ahammmm ??? You know how to do?…
– Of course I know…
She went to bed and as soon as she lay on her back, Carlos holding his aching cock entering the middle of her legs and soon started to stick it in her pussy. His whole body seemed to catch on fire, which, when he lay on it and started pumping, could never have imagined he was so vigorous.
– Oh son … Aaaaaiiiii … Iiiiissssoooo … It makes mommy hot … Meeete … go hard … – she was surprised with him punching for several minutes until she had a wonderful orgasm.
– I will enjoy mother … Vouuuuuuu goooooozarrrr … – she locked her legs on her waist and said:
– Enjoy son … Enjoy everything inside mom … enjoy fill mom with milk.
He enjoyed a huge amount inside her pussy With Mario only wanting him in bed when he was drunk and only occasionally; she no longer missed having her son to put out all that fire. She does not know until today where it was that Carlos learned to be so naughty when it comes to having sex, making him even accept to make a “69” with him. She went crazy when she felt his tongue in her pussy, and sucked on his dick until I felt him cumming deep in her throat, only to then explode in a very wet enjoyment leaving her whole face smeared with her vaginal fluid.
The pleasure of having sex with her son surpassed any regret that she was cheating on her husband, who even accepted to give her ass when he asked her to. He even saw stars when he took his virginity off his tail. Over time she became addicted to giving her ass. She loved being wanted and used like a whore by her son with that adolescent of his, to the point that he caught her washing dishes in the small sink in the cramped kitchen, lifting her dress, tearing off her panties and hugging her from behind eating her right there.
– Ooooh mom… I love your pussy so well wet…
– She’s all your son … uuuuhhhmmmm … uuuuhhhmmmm … Ooooohhh delights … Maaiiisss … my little man … Maaaiiisss .. Makes me come. I want to be your little bitch… Oh, what a tasty cock, uuiiiiii, vouuuu gooooooozaaarrrrr…
Sometimes she forgot her motherhood, to simply go to him and open his shorts, take his cock out to give a delicious blowjob; or even ride on the hard dick until you come inside her. Mário, through the mayor, managed to get a good job in a car factory in the capital and they were improving their lives… but she continued to fuck her son for some years, until he had to go to college in another city and they had to be content to see yourself just by WhatsApp or when he came home to visit them.

Incesto

Com dezoito anos de casada e com um filho, Márcia começou a passar por um período de turbulência quando seu marido, ficou desempregado. Como moravam em uma cidade de interior naquela época, tudo parecia ser muito mais difícil. Mario conseguiu um bico de motorista particular do prefeito da cidade, mas ganhava muito pouco em relação quando era gerente de produção em uma grande fabrica de sapatos.

Quando as coisas foram ficando mais difícil, tiveram que ir morar no quintal da casa do sogro. Mario sempre foi um bom marido e um bom pai, mas, com tantos problemas passou a chegar em casa bêbado nos finais de semana. E era justamente quando ele chegava bêbado, que ele cismava de querer fazer sexo. Como fazia tempo que eles não transavam, porque não tinham privacidade, aproveitaram um dia em, que o filho não estava em casa e Mario conseguiu fazer com que Márcia tivesse um orgasmo antes de cair num sono profundo.

Em um sábado, Mário chegou passando das onze da noite; bêbado, e cismou de transar. Carlos, o filho estava deitado num canto da sala em um colchonete e parecia que estava dormindo. Márcia tentou convencer o marido para deixar para outro dia, mas ele até com um pouco de brutalidade foi arrancando a camisola dela. Não querendo fazer muito barulho para não acordar o filho, foi deixando e aos trancos e barrancos Mario conseguiu lhe deixar completamente nua sobre a cama.

Querendo que tudo terminasse rapidamente, ela puxou o marido para cima dela e pegando em seu pau colocou-o na portinha da buceta deixando que ele somente tivesse o trabalho de empurrar para dentro. Mario gemendo igual um animal descontrolado começou a bombar com força e tesão e quando ela olhou paro canto da sala viu Carlos olhando seu pai fodendo-lhe. Ela até que lhe fez vários sinais com a mão para que voltasse a se deitar e quem sabe se cobrir com o lençol para não ver aquela pouca vergonha que estava acontecendo, mas foi em vão.

Normalmente quando Mario terminava de gozar, ela o empurrava e ele deitava do seu lado começando a roncar em poucos segundos. Mas naquele dia ela não conseguiu ter um orgasmo tentando evitar que seu filho s visse nua, e demorou para tirar o marido de cima dela e ele acabou dormindo sobre seu corpo.

Muito pesado, ela estava fazendo esforço para empurrá-lo quando percebeu seu filho puxando o pai e ela
passou a se preocupar em tapar a xoxota com as duas mãos. Seu filho a puxando pelo braço disse:

– Vem mãe… deixa eu te ajudar.

– Não filho, não precisa… Eu estou bem…

– Mas eu quero te ajudar… deixa eu te levar até o banheiro.

Jamais vou entender o que se passou naquela noite. Ela se deixou ser levada pelo filho e nem mais se preocupava em esconder suas partes intimas. Ficou parada olhando ele abrir o chuveiro, e quando ele a fez entrar debaixo da ducha e começou a se banhar e principalmente a lavar a xoxota… Ele ficou o tempo todo olhando-a. Ao terminar saiu do box e ele pegando a toalha foi secando seu corpo. Apesar de estar com seus 37 anos Márcia tinha um belo corpo e bem gostosinho. Estava ainda um pouco assustada, mas no fundo estava gostando de ser tratada com tanto carinho por seu filho que parecendo ter todo o controle da situação foi passando a toalha por todo o seu corpo: seios, bumbum e até na xoxota. Com Mario roncando que nem um porco, sem mais nenhum pingo de vergonha ela foi até o armário procurar outra calcinha para vestir e colocar a camisola, depois foi até Carlos que ficou sentado a olhando, e deu-lhe um beijo no rosto.

– Obrigado por tudo filho… Te amo muito, tá?…

– Eu também te amo, mãe!…

Deitada tentando dormir, ela ficou pensando no que o filho devia ter pensado ao lhe ver nua daquela maneira. E se deu conta que nem se preocupou em olhar para ver se ele tinha ficado excitado. Depois de ter acontecido aquilo tudo ela passou a ver seu filho de outra maneira, que, dois dias depois ao tomar um banho, deixou de se vestir dentro do banheiro como fazia normalmente e foi nua pegar roupas limpas no armário. Carlos que estava deitado no sofá vendo TV, passou a acompanhá-la com os olhos. Já ia vestir a calcinha quando ouviu.

– Nossa mãe… Você é muito linda.

Com a calcinha na mão, ela se aproximou do sofá e ficou parada bem próxima a ele e disse:

– Você me acha bonita?

– Muito bonita…

Ela estava sentindo um estranho prazer, em saber que o filho estava olhando para o meio das suas pernas. Quando viu que ele pegou uma almofada e colocou sobre sua virilha, ela se sentou bem do seu lado e colocando a mão sobre a almofada disse-lhe:

– O que está querendo esconder filho?

– Nada mãe…

– Você deixa a mamãe ver?

– Ver o quê?…

– O que está debaixo da almofada.

– Ah mãe… Você sabe, não é?…

– Tá com o pau duro, né?…

– Lógico!…

Ela puxou a almofada e ao ver todo aquele volume disse espantada:

– Nossa filho… O que você tem aí?…

– Ué… Você não sabe?…

Ele passou a mão sobre aquele volume, e vendo que ele sorriu apertou sobre o tecido e sentiu que devia estar muito duro e nem se abalou quando Carlos colocou a mão na coxa dela e ficou fazendo carinho até chegar na xoxota. Era algo difícil de imaginar, aquilo acontecer entre uma mãe e um filho… Mas tanto ela quanto ele estavam gostando de fazer aquilo. Ela foi abrindo sua bermuda enquanto ele foi enfiando o seu dedinho na buceta dela. Quando conseguiu puxar seu caralho para fora da cueca, ela ficou até meio abobalhada vendo que seu filho tinha um pau bem maior do que o do seu pai. Era super dotado, então passou a fazer carinho do seu pinto duro e ele socando seu dedo na buceta dela.

– Nossa… Assim a mamãe não vai aguentar.

– Nem eu… Que gostoso – e se surpreendeu com o que ele disse – Você deixa eu te comer, mãe?…

– Ahammmm??? Você sabe fazer?…

– Claro que eu sei…

Ela foi pra cama e assim que se deitou de costas, Carlos segurando seu pau dói entrando no meio das pernas dela e logo começou a enfiá-lo na buceta. Todo seu corpo parecia pegar fogo, que, quando ele deitou sobre ela e começou a bombar, jamais poderia imaginar que ele fosse tão vigoroso.

– Ai filho… Aaaaaiiiii… Iiiiissssoooo… Mete gostoso na mamãe… Meeete… com força vai… – ela ficou surpresa com ele socando por vários minutos até que ela teve um maravilhoso orgasmo.

– Vou gozar mãe … Vouuuuuuu goooooozarrrr… – ela travou as pernas na sua cintura e disse:

– Goza filho… Goza tudo dentro da mamãe… goza enche a mamãe de leitinho vai.

Ele gozou uma quantidade enorme dentro da buceta dela Com Mario só lhe querendo na cama quando estava bêbado e só de vez em quando; ela passou a não mais sentir falta tendo seu filho para apagar todo aquele seu fogo. Ela não sabe até hoje onde foi que Carlos aprendeu a ser tão sacana na hora de fazer sexo, lhe fazendo até aceitar fazer com ele um “69”. Ela ficava louca ao sentir sua língua na buceta, e mamando no seu pinto até senti-lo gozando lá no fundo da sua garganta, para logo depois explodir num gozo bastante molhado deixando todo seu rosto lambuzado com seu líquido vaginal.

O prazer de transar com filho superava qualquer arrependimento de estar traindo o marido, que aceitou até dar a bunda quando ele lhe pediu. Chegou a ver estrelas quando ele tirou a virgindade do seu rabo. Com o tempo ficou viciada em dar a bunda. Ela adorava ser desejada e usada como uma puta pelo seu filho com aquele seu ímpeto de adolescente, a ponto dele lhe pegar lavando louças na pequena pia da apertada cozinha, levantar seu vestido, arrancar calcinha e abraçando-a por trás lhe comer ali mesmo.

– Ooooh mãe… Adoro sua buceta assim bem molhadinha…

– Ela é toda sua filho… uuuuhhhmmmm… uuuuhhhmmmm… Ooooohhh delicia… Maaiiisss… meu homenzinho… Maaaiiisss.. Me faz gozar. Quero ser sua putinha… Ai que pau gostoso, uuiiiiii , já vouuuu gooooooozaaarrrrr…

Às vezes ela se esquecia da sua condição de mãe, para simplesmente ir até ele e abrir sua bermuda, tirar seu pau para fora para dar uma gostosa mamada; ou até cavalgar no pinto duro até fazê-lo gozar dentro dela. Mário, por intermédio do prefeito, conseguiu arrumar um bom emprego em uma fábrica de automóveis na capital e foram melhorando de vida… mas ela continuou transando com o filho por alguns anos, até que ele teve que ir fazer faculdade em outra cidade e tiveram que se contentar em se ver apenas pelo WhatsApp ou quando ele vinha em casa visitá-los.

MY SEXUAL INITIATION


Carla Cecília
Writing an erotic tale is an experience never thought to be lived by me, but as in life it cannot be said that I will never drink from this water, come on.
Like any good story, however true, it will always have a touch of fantasy and imagination. Mine would be no different, but I kept the whole reality, just trying to spice up some facts without distorting the content. The goal is to talk about my first sexually experienced moments. Until I was 21 I was a virgin, pure and chaste. I thought that if they touched me I could stop being a virgin, which would only happen when I got married or really loved someone. I wanted life that wasn’t so.
I am a teacher and at that time I worked at a large school in my city, where a Physical Education teacher worked who delighted me with the way he dealt with children, with great zeal, affection and attention.
I think my enchantment was perceived by the teacher, who started to flirt with me, to which I returned more and more involved.
We went out a first time and he, with all politeness and respect, didn’t even try to kiss me. I don’t know if that was a strategy, I just know that I felt more and more enchanted and attracted.
The second time we left, things started to change. When we finished dinner, before going home, we stopped by the beach to see a competition in the water and our first kiss rolled, which left me completely excited and with my pussy totally soaked. As if that were not enough, he started to nag me, running his hands on my thighs, sucking my breasts and touching me a siririca.
I think that, realizing that I was very excited, even due to the amount of liquid in my pussy, he put his cock out and directed me to my first wank of life. Seeing that I had no opposite reaction and that I was totally at his ease, he put his hand on my head and gently pushed it towards his dick, I paid for my first blowjob.
It didn’t take long and I felt his hot, slimy cum fill my mouth.
I was scared and didn’t know what to do with the sperm that was already running down the corners of my mouth. I took the mouth off his cock and lifted my head thinking about spitting it all out.
– Swallow it, Carla … swallow it all … don’t throw it away! – He asked me, very seriously, what I obeyed without question.
I went home very confused. What irony! I was chaste and pure, I didn’t even let them put my hand on my leg, I had gone out with a guy twice and I had already allowed things that I thought I would only do with my husband or someone I loved very much, and even then of a certain courtship period.
The problem is that I had really enjoyed playing with a stick and started to have an internal fight with myself.
After a few days, he invited me to camp together. I knew that if I accepted I would lose my virginity and my first reaction was to say no.
I wanted life to be different and prepared a surprise for me. On the day that the trip would be, which I had already said I would not go, I had even arranged with a friend to go to another corner, my father arrived totally drunk, which happened quite often. So, to get revenge on my father, I decided to lose my virginity.
“I’ll do it!”, I thought. Pure childishness, because this revenge never shook my father, who did not even know that I was no longer a virgin. On the other hand, it shook me a lot, because in addition to losing something that I cherished so much, everything I imagined about fucking went down the drain. The teacher, although I was already super involved, besides not being sure if I loved him, we had very little relationship time.
I ended up losing my gourd in a camping tent, without the romanticism I wanted to have at that time. Not because it was in a tent in the middle of the woods, much less without an orgasm, which at the time I didn’t even think it was supposed to be for me, but because of the way it happened.
The person I had chosen for this important fact did not rape me, but was not careful at that time, resulting in a bad, painful, unpleasant and crying act the next day.
Life is funny. We go through actions that we could never imagine living like the ones I lived with this boy.
It got worse after I relaxed and, even without coming, I started to like the cock of climbing and, even more, with a person who just gave me his hand, his cock would lift and I, realizing this, already had my pussy soaked.
I think that due to this lust he felt for me, whenever we met he already came with his hard cock wanting to get me in, which hindered the preliminaries a lot. Despite sucking his dick every time we screwed, he never sucked my pussy and it frustrated me a little.
With this teacher, I not only lost my virginity, but I lived very dangerous moments of lust and sex.

Despite the fact that he lives alone and we have the facility to fuck at his house, the place where we used to fuck the most, often in front of his dog, who was very horny and also wanted to play, whenever we met we looked for a breach and a place to screw.
The lust was so much that we couldn’t stand to wait until we got to his home. When we were close to her mother’s house and we knew she wasn’t there, that was where we were going. We fucked in the street, inside the car, where I often sucked his cock with a couple of friends inside, in the bathroom of the houses of friends who invited us to some parties and sometimes at the school we worked at.
One of the times in a cubicle where he changed his clothes, which was barely moving. But it was there with a lot of fear of being caught and very horny.
When we fucked at school, whenever I came back to the classroom, the little children, even though they didn’t realize what had happened, were super taken. I think because of the smell of sex that filled the room due to the teacher’s sperm coming out of my pussy, wetting my panties and running down my legs, mixing with the flow of vaginal fluids, released by the sexual act.
And we continued with an animalism that made us masturbate each other, at school lunchtime, in the full cafeteria, under the table, until I almost came. He did, he enjoyed a lot and spread it in my hand, without noise and expression so as not to attract attention. But how would I define it: Only sex.
Perhaps, due to the sexual involvement that united us, I thought several times about marrying this boy, because it is really good to live these emotions with the feeling together with the danger, lust and heart pounding without stopping. As this did not happen, we did not continue our adventure.
I can’t say if this was beneficial for me, because it opened the way for other sexual relations without the love that I would like to have. Until, a few years later and after some partners, I managed to live sex the way I dreamed, even allowing myself to reach orgasm. But these facts will be left to be written at another time.Enviar fee

MINHA INICIAÇÃO SEXUAL

Carla Cecília

Escrever conto erótico é uma experiência jamais pensada ser vivida por mim mas, como na vida não se pode dizer que dessa água eu nunca beberei, vamos lá.
Como toda boa estória, por mais que seja verdadeira, sempre irá ter um toque de fantasia e imaginação. A minha não seria diferente, mas mantive toda a realidade, só procurando apimentar alguns fatos sem deturpar o conteúdo. O objetivo é falar sobre os meus primeiros momentos vividos sexualmente. Até os meus 21 anos eu era virgem, pura e casta. Achava que se passassem a mão em mim eu podia deixar de ser virgem, o que só aconteceria quando eu me casasse ou realmente amasse alguém. Quis a vida que não fosse assim.
Sou professora e nessa época eu trabalhava em uma grande escola da minha cidade, onde trabalhava um professor de Educação Física que me encantava pela forma como ele lidava com as crianças, com muito zelo, carinho e atenção.
Acho que o meu encantamento foi percebido pelo professor, que começou a me paquerar, ao que eu retribuía cada vez mais envolvida.
Saímos uma primeira vez e ele, com toda educação e respeito, nem tentou me dar um beijo. Não sei se isso foi uma estratégia, só sei que me eu sentia cada vez mais encantada e atraída.
Na segunda vez que saímos a coisa começou a mudar. Quando terminamos de jantar, antes de irmos para casa, paramos na beira da praia para ver uma competição na água e rolou o nosso primeiro beijo, o que me deixou completamente excitada e com a buceta totalmente encharcada. Como se não bastasse, ele começou a me bolinar, passando as mãos nas minhas coxas, chupando meus peitos e me tocando uma siririca.
Acho que, percebendo que eu estava muito excitada, inclusive pela quantidade de líquido na minha buceta, ele colocou seu pau para fora e me direcionou para a minha primeira punheta da vida. Vendo que eu não esboçava nenhuma reação contrária e que estava totalmente entregue à sua vontade, ele colocou sua mão na minha cabeça e empurrando-a suavemente na direção de seu pau, paguei meu primeiro boquete.
Não demorou muito e senti sua porra quente e viscosa encher minha boca.
Fiquei assustada e não sabia o que fazer com o esperma que já escorria pelos cantos da boca. Tirei a boca do seu pau e levantei a cabeça pensando em cuspir tudo fora.
– Engole, Carla… engole tudo… não joga fora! – ele me pediu, muito sério, o que obedeci sem questionar.
Fui para casa muito confusa. Que ironia! Eu casta e pura, não deixava nem que botassem a mão na minha perna, tinha saído com um cara duas vezes e já tinha permitido coisas que eu achava que só faria com o meu marido ou com alguém que eu amasse muito, e mesmo assim depois de um certo tempo de namoro.
O problema é que eu tinha gostado muito de brincar com um pau e passei a ter uma briga interna comigo mesma.
Passados alguns dias, ele me convidou para acamparmos juntos. Eu sabia que se aceitasse perderia minha virgindade e minha primeira reação foi dizer não.
Quis a vida que não fosse assim e me preparou uma surpresa. No dia que seria a viagem, que eu já tinha dito que não iria, inclusive tinha marcado com uma amiga de irmos para outro canto, meu pai chegou totalmente bêbado, o que acontecia com uma certa frequência. Então, para me vingar do meu pai, resolvi perder minha virgindade.
“Vou dar!”, pensei. Pura infantilidade, pois essa vingança nunca abalou meu pai, que nem ficou sabendo que eu tinha deixado de ser virgem. Em compensação, isso me abalou muito, pois além de perder uma coisa que eu tanto prezava, tudo que eu imaginava de trepar foi por água abaixo. O professor, apesar de eu já estar super envolvida, além de não ter certeza se o amava, tínhamos pouquíssimo tempo de relacionamento.
Acabei perdendo meu cabaço em uma barraca de acampar, sem o romantismo que eu queria ter nessa hora. Não pelo fato de ter sido em uma barraca no meio do mato e muito menos sem orgasmo, que na época nem imaginava que era para eu ter, e sim pela forma como a coisa aconteceu.
A pessoa que eu havia escolhido para esse importante fato não me estuprou, mas não teve o menor cuidado nesse momento, resultando num ato ruim, dolorido, sem prazer e de muito choro no dia posterior.
A vida é engraçada. A gente passa por ações que jamais podíamos imaginar viver como os que vivi com esse rapaz.
A coisa piorou depois que relaxei e, mesmo sem gozar, passei a gostar do barato de trepar e, mais ainda, com uma pessoa que só de me dar a mão seu pau levantava e eu, percebendo isso, já ficava com minha buceta encharcada.
Acho que devido a esse tesão que ele sentia por mim, sempre que nós nos encontrávamos ele já vinha com seu pau duro querendo me meter, o que atrapalhava muito as preliminares. Apesar de chupar o seu pau toda vez que trepávamos, ele nunca chupou minha buceta e isso me frustrava um pouco.
Com esse professor, não só perdi minha virgindade como vivi momentos bem perigosos de tesão e sexo.
Apesar dele morar sozinho e termos a facilidade para trepar na sua casa, local onde mais trepávamos, muitas vezes na frente do seu cachorro, que ficava cheio de tesão e também queria entrar na brincadeira, sempre que nos encontrávamos procurávamos uma brecha e um local para trepar.
O tesão era tanto que não aguentávamos esperar até chegarmos a sua casa. Quando estávamos próximos a casa da sua mãe e sabíamos que ela não estava, era pra lá que nós íamos. Trepávamos na rua, dentro do carro, onde por muitas vezes chupei seu pau com um casal amigo dentro, no banheiro das casas de amigos que nos convidavam para algumas festas e algumas vezes na escola que trabalhávamos.
Uma das vezes num cubículo onde ele trocava a roupa, que mal dava para se mexer. Mas era ali com muito medo de sermos pegos e com muito tesão.
Quando trepávamos na escola, sempre que eu voltava à sala, as criancinhas, mesmo não percebendo o que tinha acontecido, ficavam super levadas. Acho que pelo cheiro de sexo que enchia o ambiente devido ao esperma do professor saindo da minha buceta, molhando minha calcinha e escorrendo pelas minhas pernas, misturando-se com o fluxo de fluidos vaginais, liberados pelo ato sexual.
E seguíamos com um animalismo que fazia por várias vezes masturbarmos, um ao outro, na hora do almoço da escola, no refeitório cheio, por baixo da mesa, até quase eu gozar. Ele sim, gozava muito e esporrava na minha mão, sem barulho e expressão para não chamar atenção. Mas como definiria isso: Somente sexo.
Talvez, devido ao envolvimento sexual que nos unia, pensei diversas vezes em me casar com esse rapaz, porque bom mesmo é viver essas emoções com o sentimento junto com o perigo, tesão e coração batendo forte sem parar. Como isso não aconteceu não demos continuidade a nossa aventura.
Não sei dizer se para mim isso foi benéfico, pois me abriu o caminho para outras relações sexuais sem o amor que eu gostaria de ter. Até que, alguns anos mais tarde e após alguns parceiros, consegui viver o sexo da maneira que eu sonhava, inclusive me permitindo chegar ao orgasmo. Mas esses fatos vão ficar para serem escritos em uma outra oportunidade.