DESAFOGO

Ao Ar Livre, Estrada, Rua, Espaço

Pelos caminhos corridos

de pedras, areia e grama

por onde meus pés passaram

carregando esse meu drama

feito de carne e de trama

ficarão embaralhados

 os olhos daquela dama

que nunca mais nesta vida

aquecerá sua pele

na maciez da minha cama.

Pelos caminhos retorno

depois de tanto cansaço

tendo a cabeça pendida

perdida fora do espaço

e os meus braços vazios

sozinhos sem um abraço

desafogando os meus olhos

pingando gotas de orvalho

e o corpo todo coberto

de descobertos retalhos

e estas mãos mão calejadas

de tanto buscar o nada

 gritando por uma fada

fazendo gestos de amor

onde estará minha deusa

que não percebe minha dor?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s