I cried too much, but I don’t regret it.

Even today, when I remember, I feel a little chill in my belly. my legs are a little wobbly and my throat is tight. At the same time, my heart accelerates and a strange languor takes possession of my body and a sweet pleasure envelops me, like a smooth and pleasant pleasure. Truly, I feel like two different people live in me. One, who, remembering what happened, suffers and panics. Another one that rejoices and delights. As for him, I don’t think he should have any memories anymore. His life just went on.
The date we celebrate is always an important milestone in our lives. Even happening every year, we celebrate each anniversary as if it were the first and the most special. That one was special. I was eighteen. Coming of age, anyway. I was euphoric. It would be independent. I would go to college. I was going to have my CNH. I was going to be able to travel alone. These were some of the things that I could do or enjoy without having to satisfy anyone else if I didn’t want to. Today I know very well that none of this matters so much. But that day, when he turned eighteen in a quiet, orderly and very traditional town in the interior, it was as much as you could wish for.
It was December. My birthday is on the 16th. My house was in an uproar, with people coming and going, an intense noise. She was very agitated, worried about having a party that would be marked as a breakout.
My grandparents had arrived from the Capital and agreed that when they returned, I would go to live with them and go to college. This was my best gift. I dreamed a lot about that moment. He had already been there when on vacation and had loved it. The old people were quite evolved, with modern thoughts and gave me, at the time, all the freedom I had never had. No scheduled time for anything. “You’re on vacation, so enjoy it.” And so I did. I took advantage of it so much that I even lost my virginity there, in the Capital, in the fuck of a boy from my city who was studying medicine. During the time I stayed at my grandparents’ house, Cláudio kept me company. Thus, he became my tour guide, the cup mate, the chat friend, the security guard and, of course, the boyfriend and the lover. All of these characteristics emerged at their own moments. Claudio was, on that vacation, without a doubt, everything I needed to have to be happy in my sixteen years. Two years ago we didn’t know each other anymore.
To celebrate my eighteen years, my parents made a reservation in the social club’s noble room, where my guests started arriving at six o’clock. In the center of the noble room was placed a table with a wide range of edibles, a barrel of beer in each corner of the room and a freezer in the cleaning room, full of beer, soft drinks and juices. Cachaça bottles on a shelf.
I went out of my way to pay attention to everyone, stopping with some, following others around the room, sitting at tables, in short, trying to be a good hostess. Of course, although I had lived almost my whole life there, some of those people were not known to me. They were friends of my parents, friends of my parents, friends of my friends and so on. On stage, a city band started playing and people started dancing around the table, placed in the center. I was watching carefree when I felt someone from behind touch my shoulder. As I turned around, I saw Claudio smiling at me with open arms. I hugged him. “But what a pleasant surprise, Cláudio. I missed you a lot. I’m glad you’re here.” He told me that he had arrived that afternoon and that when he heard that I was going to have a birthday party, he immediately found a way to go. And coming to my side, he waved to someone. “I want you to meet a friend. This is Conrado. He is also a doctor, and works with me at Santa Casa, in São Paulo.” Cláudio’s friend was a normal guy, one of those who in a circle of men would not attract the attention of any woman. We hugged and I told him that if he is a friend of Claudio, he is a good person and my friend too “and I continued” come with me, you need to drink something. After all, this is not a children’s party “. And I took them to the freezer room.
As the room was very full, I left the two drinking and talking to other people in a corner of the room and went to see to the other guests. From time to time, I tried to take a look at where his friend Cláudio was. That’s when I realized that every time I turned to them, Conrado was watching me.
By the time, I, from drinking so much with each other, from table to table, was already quite high. When I drink, I laugh for nothing, my face is very red and I feel brave, I completely lose track of what is dangerous. I consider myself capable of anything. And that’s what happened. Without knowing how, I suddenly found myself sitting on one of the steps of the ladder that led

to the stage, where the band stirred the people with music of all styles. Next to me was Conrado. I could see Cláudio dancing with someone I didn’t identify. “Are you liking the party?” I asked. He said yes, that he was. But the best thing was to be able to be by my side, that I was very beautiful and that I could now confirm everything that Claudio had already said about me with him. “What do you mean, I asked. Cláudio already talked about me with you”. “Yes, several times,” he said. I know a lot about you “. I felt that he was getting very interested in me. And I provoked” Cláudio only said good things, didn’t he? What did he say? “Lowering his voice, he put his hand on my shoulder and told me looking into my eyes” He said he was the first to eat you. That popped your gourd. And that you fuck very hot “. I felt a heat running through my body and I looked at him, saying nothing.
He took my hand and said looking me in the eyes “Because we don’t go out and you take me somewhere where we can be alone. I want you”. Without thinking about anything I said “Can’t do it. Are you crazy? These people of mine are invited.” Tomorrow we leave. I will pick you up. Where did you stay? He told me he was at Cláudio’s house. We agreed that I would pick him up at twenty, the next day.
My birthday party didn’t end until four in the morning.
The other day I spent the day resting and at eight o’clock I drove to Cláudio’s house where Conrado was already waiting for me outside. Without much conversation I drove to the Motel. We have already started making out in the car. When we entered the room, I already wanted him to fuck me badly.
He helped me remove my clothes and I lay on the bed while he undressed with his back to me. I was already wet and my pussy was compressed with lust. When Conrado turned I saw that his cock was hard and I could not miss a “My God” with a tremulous and muffled voice. “I don’t think I can take it all.” Realizing my fright he tried to reassure me “Calm down, you don’t have to be like this. I know my dick is big but you will endure it, yes. I will go carefully, with patience.” “It’s just that I’ve never seen a cock so big and so thick. Until today, I only gave it to Cláudio. And his cock I could handle well because it is much smaller than yours”. While he reassured me, I was stroking the fucking head that was getting harder and harder. He lay next to me, on his back and that mast was raised as if waiting for a flag. Amazing. He told me he was 32 centimeters. He asked me, with the greatest sympathy, if I wanted to give up. If I wanted to, I could just whack him and he would understand perfectly and we would be gone. I nodded, that I was going to hit him a hand and we would go, because I was very afraid of that huge cock entering me.
I took that monument in my hands and started whacking it. It was so thick that my hand didn’t cover it all. He was relaxing and the stick got bigger and bigger. I wanted to suck that monster cock and it didn’t get in my mouth. I licked for a few minutes. While licking, my cunt was going crazy with the urge to fuck. My thoughts got mixed up. The desire grew and the fear disappeared as if by magic. I was on all fours and said “Come and fuck me. I want to feel you tearing me up with this little dick. I’m not afraid anymore. Eat me”.
He caught me from behind, grabbed my waist, I spread my legs wide, leaned my face against the mattress and lifted my ass up. He took an oil from the table, smeared his cock and all my ass, pussy and ass, and touched that huge head, which looked more like a red guava because it was so big and started to stick in me. I felt that it would not be possible to get all that stuff into the pussy that, at that point, burned, burned, sparked and stretched, trying to open more and more. He broke off, squeezing my ass and stuffing his dick. Until it didn’t happen anymore. He stopped coming in and he started punching, punching, pulling and stuffing. I was feeling a mixture of horror for the pain that the dick made me feel, as if it tore all my ass and a crazy pleasure, as I had never felt before, wanting it not to stop. “Oh, my God, it hurts a lot. Get more, go, eat me. Oh, that pain. Don’t stop. Tear me up. I’ll come again. I’m coming, Ai, what a fucking pain. Son of a bitch. You it’s killing me with pain. How nice, now, now, I’m coming again, Enjoy you in my pussy. Make this hot cock make me come again. Come, baby, fill my pussy with warm cum. ” I was crying copiously while talking bullshit in your ear. He was putting the iron in without mercy, silent, silent. When he came and filled my pussy with cum, his cock had already gone so deep into my pussy that I didn’t have a little bit more of it and his bag kept hitting my ass when the dick went in until the end.
On second thought, today I think


CHOREI DEMAIS, MAS NÃO ME ARREPENDO.

Até hoje, quando eu me lembro, sinto um friozinho na barriga. minhas pernas ficam meio bambas e me dá um nó na garganta. Ao mesmo tempo, meu coração acelera e um estranho langor se apossa do meu corpo e um doce prazer me envolva, como um gozo suave e gostoso. Verdadeiramente, eu me sinto como se em mim habitassem duas pessoas diferentes. Uma, que ao recordar o que aconteceu, sofre e se apavora. Uma outra que se regozija e se delicia. Quanto a ele, eu acho que nem deve mais ter nenhuma recordação. A sua vida simplesmente seguiu o seu rumo.

A data em que aniversariamos é sempre um marco importante em nossa vida. Mesmo acontecendo todos os anos, a cada aniversário comemoramos como se fosse o primeiro e o mais especial. Aquele, sim, foi especial. Eu completava dezoito anos. Maioridade, enfim. Estava eufórica. Seria independente. Iria para a faculdade. Ia ter minha CNH. Ia poder viajar sozinha. Essas eram alguma das coisas que eu poderia fazer ou desfrutar sem precisar dar satisfações a mais ninguém, se não quisesse. Hoje sei muito bem que nada disso tem tanta importância. Mas, naquele dia, ao completar dezoito anos em uma cidadezinha pacata, ordeira e muito tradicionalista do interior, era o máximo que se podia desejar.

Estávamos em Dezembro. Meu aniversário é no dia 16. A minha casa estava um alvoroço, com gente entrando e saindo, um vozerio intenso. Estava muito agitada, preocupada em fazer uma festa que ficasse marcada como de arromba.

Meus avós tinham chegado da Capital e concordado em que, quando voltassem, eu iria para morar com eles e fazer faculdade. Este era o meu melhor presente. Eu sonhava muito com aquele momento. Já estivera lá, quando em férias, e tinha adorado. Os velhos eram bastante evoluídos, com pensamentos modernos e me deram, na época, toda a liberdade que eu nunca tinha tido. Sem horas marcadas para nada. “Você está de férias, então aproveita”. E assim eu fiz. Aproveitei tanto que até perdi a virgindade lá, na Capital, no caralho de um menino da minha cidade que estudava medicina. Durante o tempo em que fiquei na casa dos meus avós, Cláudio me fez companhia. Tornou-se, assim, o meu guia turístico, o companheiro de copo, o amigo de bate-papo, o segurança e, naturalmente, o namorado e o amante. Todos essas características afloraram nos momentos próprios. Claudio foi, naquelas férias,sem nenhuma dúvida, tudo o que eu precisava ter para ser feliz em meus dezesseis anos. Há dois anos não sabíamos mais um do outro.

Para celebrar os meus dezoito anos meus pais fizeram reserva do salão nobre do clube social, onde meus convidados começaram a chegar às dezoito horas. No centro do salão nobre estava colocada uma mesa com variada gama de comestíveis, um barril de chopp em cada canto do salão e um freezer na salinha de  limpeza, cheio de cerveja, refrigerantes e sucos. Numa prateleira garrafas de cachaça.

Eu me desdobrava para dar atenção a todos, parando com uns, acompanhando outros pelo salão, sentando nas mesas, enfim, tentando ser boa anfitriã. É claro que, embora tivesse vivido praticamente a vida inteira ali, algumas daquelas pessoa não eram minhas conhecidas. Eram amigos dos meus pais, dos amigos dos meus pais, amigos de meus amigos e assim por diante. No palco, uma banda da cidade começou a tocar e as pessoas começaram a dançar ao redor da mesa, colocada no centro. Eu observava despreocupada quando  senti alguém, por detrás, tocar no meu ombro. Ao me virar, vi Claudio me sorrindo com os braços abertos. Eu o abracei. “Mas que surpresa agradável, Cláudio. Eu estava com muitas saudades de você. Que bom que está aqui”. Ele me disse que tinha chegado naquela tarde e que ao saber que eu ia fazer festa de aniversário, arranjou logo um jeito de ir. E, chegando para o meu lado, acenou para alguém. “Quero que conheça um amigo. Este é o Conrado. É médico também, e trabalha comigo na Santa Casa, em São Paulo”. O amigo de Cláudio era um cara normal, desses que em uma roda de homens não chamaria muito a atenção de nenhuma mulher. Nos abraçamos e eu lhe disse que se é amigo do Claudio, é gente boa e meu amigo também” e continuei “venham comigo,precisam beber alguma coisa. Afinal de contas, esta não é uma festa de crianças”. E os levei até a salinha do freezer.

Como  o salão estava muito cheio, deixei os dois bebendo e conversando com outras pessoas num canto do salão e fui cuidar de atender aos outros convidados. De vez em quando, eu procurava dar uma olhada onde estavam Cláudio o seu amigo. Foi quando percebi que todas as vezes que eu me virei para eles, Conrado estava com os olhos me observando.

Lá pelas tantas, eu, de tanto bebericar com uns e outros, de mesa em mesa, já estava um tanto quanto alta. Eu, quando bebo, rio à toa, fico com o rosto muito vermelho e me sinto corajosa, perco totalmente a noção do que seja perigoso. Me considero capaz de qualquer coisa. E foi o que aconteceu. Sem saber como, de repente me vi sentada em um dos degraus da escadinha que levava ao palco, onde a banda agitava o povo com musicas de todos os estilos. Ao meu lado estava Conrado. Eu podia ver o Cláudio dançando com alguém que eu não identifiquei. “Você está gostando da festa?” perguntei. Ele me disse que sim, que estava. Mas que o melhor mesmo era poder estar ao meu lado, que eu estava muito bonita e que agora podia confirmar tudo o que o Cláudio já tinha falado de mim com ele. “Como assim, perguntei. O Cláudio já falou de mim com você”. “Sim várias vezes” ele disse. Sei muito sobre você”. Eu senti que ele estava ficando muito interessado em mim. E provoquei “O Cláudio só falou coisas boas, não foi? O que ele falou?” Abaixando a voz, colocou a mão no meu ombro e me falou olhando nos meus olhos “Ele disse que foi o primeiro a comer você. Que estourou o seu cabaço. E que você fode muito gostoso”. Eu senti um calor correndo o meu corpo e fiquei olhando para ele, sem dizer nada.

Ele pegou a minha mão e falou me olhando nos olhos  “Porque a gente não sai e você me leva pra algum lugar onde possamos ficar sozinhos. Tô te querendo”. Sem pensar em nada eu falei “Não dá. Está doido? Essa gente minha convidada.” Amanhã a gente sai. Eu te busco. Onde você ficou? Ele me disse que estava na casa do Cláudio. Combinamos que eu o buscaria às vinte horas, o dia seguinte.

A festa do meu aniversário só terminou às quatro da manhã.

No outro dia passei o dia descansando e às oito horas fui de carro até a casa do Cláudio onde Conrado já esperava por mim do lado de fora. Sem muita conversa dirigi até o Motel. Já começamos uma amasso ainda no carro. Quando entramos no quarto eu já estava querendo muito que ele me fodesse.

Ele me ajudou a tirar a minha roupa e deitei-me na cama enquanto ele se despia de costas para mim. Eu já estava molhadinha e minha boceta se comprimia de tesão.Quando Conrado se virou eu vi que seu caralho estava duro e não pude deixar de escapar um “Meu Deus” com avoz trêmula e abafada. “Eu acho que não vou aguentar isso tudo” . Percebendo o meu susto ele procurou me tranquilizar “Calma, não precisa ficar assim. Sei que meu cacete é grande mas você vai aguentar, sim. Eu vou por com cuidado, com paciência.” É que eu nunca vi uma pica tão grande e tão grossa. Até hoje, eu só dei pro Cláudio. E o pau dele eu aguentei bem porque é muito menor que o seu”. Enquanto ele me tranquilizava, ia alisando a cabeça do caralho que ia ficando cada vez mais duro. Ele deitou ao meu lado, de barriga pra cima e aqule mastro ficou empinado como se esperasse por uma bandeira. Incrível. Ele me disse que tinha 32 centímetros. Ele me perguntou, com a maior simpatia, se eu queria desistir. Se eu quisesse, poderia só bater nele uma punheta e ele iria entender perfeitamente e nós iríamos embora. Eu fiz que sim, que ia bater nele uma punheta e a gente iria embora, pois eu estava com muito medo daquele enorme caralho entrando em mim.

Apanhei aquela monumento em minhas mãos e comecei bater nele uma punheta. Era tão grosso que minha mão não o cobria todo. Ele foi relaxando e o pau ficava cada vez maior. Eu quis chupara aquela piroca monstruosa e ela não entrou na minha boca. Fiquei uns minutos lambendo. Enquanto lambia, minha boceta estava enlouquecendo de vontade de foder. Meus pensamentos se embaralharam. A vontade foi crescendo e o medo sumiu como por encanto. Fiquei de quatro e falei “Vem e me fode. Quero sentir você me rasgando com essa pica todinha. Eu não estou com medo mais não. Me come”.

Ele me pegou por trás, segurou minha cintura, eu abri bem as pernas, encostei o meu rosto no colchão e levantei bem a bunda. Ele pegou um óleo na mesinha, besuntou o seu caralho e toda a minha bunda, boceta e cuzinho, e encostou aquela cabeça enorme, que mais parecia um goiaba vermelha de tão grande e começou a enfiar em mim. Senti que não seria possível fazer entrar tudo aquilo na boceta que, a essa altura, ardia, queimava, faiscava e se esticava procurando abrir cada vez mais. Ele foi rompendo, apertando a mina bunda e enfiando o pau. Até que não deu mais. Parou de entrar e ele começou a socar, socar, tirando e enfiando. Eu fui sentindo uma mistura de horror pela dor que o pau me fazia sentia, como se me rasgasse toda a bunda e um prazer doido, como nunca tinha sentido antes, querendo que ele não parasse. “Ai, meu Deus, tá doendo muito. Enfia mais, vai, me come. Ai ai que dor. Não para. Me rasga. Eu vou gozar de novo. Tô gozando, Ai, que dor do caralho. Filho da puta. Você tá me matando de dor. Que gostoso, agora, agora, tô gozando de novo, Goza você na minha boceta. Faz esse pauzão gostoso me fazer gozar de novo. Vem, amor, enche a minha boceta de porra quentinha.” Eu chorava copiosamente enquanto ia falando besteiras no seu ouvido. Ele ia me enfiando o ferro sem dó, calado, mudo. Quando gozou e encheu a minha boceta de porra, a sua pica já tinha entrado tão fundo na minha boceta que não tinha mais nem um pouquinho fora dela e o seu saco ficava batendo na minha bunda quando o pau entrava até o fim.

Pensando bem, hoje eu considero que a pica descomunal do Conrado foi que tirou, de verdade, o meu cabaço. Porque dar a boceta para o Cláudio foi como brincar de casinha perto do que senti dando a boceta para o Conrado.

É verdade e não nego que chorei demais na ponta daquele pica. Mas juro que não me arrependo.