ASSIM, ASSIM…

I

Olhos, Mulher, Rosto, Menina, Olho

            Tinha olhos bonitos, de um negro profundo. E, no fundo dos olhos, era terna. Meiga e terna.

            Por um tique nervoso ou por charme, piscavam os seus olhos maliciosamente, num ritmo compassado. Tinha olhos bonitos que me olhavam de frente.

            Um dia, não sei se por um olhar mais atrevido, não sei se por um pouco de descuido ou se por um pouco mais de querença, meus olhos pararam nos seus olhos parados e ficamos ali, desconcertados. Os dois. Aí, então, como por mágica, nos achamos um ao outro. Ali, naquele lugar que ficou como sendo eterno nos meus sonhos. Fiz dele um segredo e não digo, não.

II

            Com o tempo, deixamos quase de conversas. Ficávamos a nos olhar, apenas. Assim, fomos descobrindo em nós minúcias que não conhecíamos. E os nossos olhos cada vez mais se falavam, indagando-se. Eu gosto muito de você, um olhar dizia. Senti sua falta, respondia o outro olhar, como que brincando. E, a cada carinho, entrecerravam-se. Não por vergonha de um beijo. Não por timidez. Mas entrecerravam-se para melhor sentir os lábios nos lábios e mais sonhar.

            Tinha olhos bonitos, de um negro profundo de ternura feitos e de malícia.

            Como estou, sem tê-los? Assim, assim…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s